terça-feira, 31 de maio de 2016

hamlet da dinamarca




querem saber por que a peça é a mais famosa do mundo?
bom, pelo menos do meu mundo é.


aula de redação #1



criando texto argumentativo !


  • ideia principal (sua opinião / tese)
  • argumentos para defender a ideia
  • conclusão que reafirma a ideia (tese)


caneta e papel, por favor!

siga os passos desta vídeoaula!


segunda-feira, 30 de maio de 2016

curso de literatura #1



então, você gosta de literatura ? 
tem dificuldade?
a ideia é ajudar. 
dicas, conceitos, história, resenhas....

aula 1

o que é literatura 

resposta :  arte da palavra escrita ou falada!

veja este vídeo



prepare-se

esta semana, aula 2!



domingo, 29 de maio de 2016

contra a cultura do estupro





ser contra a cultura do estupro não significa querer violência contra estupradores... sempre há os que não estudam e saem pedindo castração química desse tipo de gente. não. não vai adiantar. não se combate violência com outra, não resolve.
estuprar e sinônimo de inibir, violentar e impor a dominação de "a" sobre "b". é básico defender o respeito, sempre, desde o berço. é básico indignar-se, nunca fazer piada sobre isso porque, no limite, nunca é piada. é crime.

filosofia no café


sábado, 28 de maio de 2016

o céu a terra, o vento sossegado - camões





O céu, a terra, o vento sossegado
As ondas, que se estendem pela areia
Os peixes, que no mar o sono enfreia
O noturno silêncio repousado
O pescador Aónio, que, deitado
Onde co’o vento a água se meneia,
Chorando, o nome amado em vão nomeia,
Que não pode ser mais que nomeado
— Ondas – dizia – antes que Amor me mate,
Tornai-me a minha Ninfa, que tão cedo
Me fizestes à morte estar sujeita.
Ninguém lhe fala; o mar de longe bate;
Move-se brandamente o arvoredo;
Leva-lhe o vento a voz, que ao vento deita
o pobre poeta está em meio à praia, mar e ventos e espera algum consolo pela morte da amada (ver 3a estrofe –  “morte estar sujeita). tratada como “ninfa”, a figura da musa ressalta a tristeza do amado, uma vez que ele ficou, literalmente, a ver navios.
o poeta pede “tornai-me a minha ninfa”, mas a natureza não lhe atende. o vento leva seu pedido para longe. é ruim. é a busca do amor. é a saudade







sexta-feira, 27 de maio de 2016

quarta-feira, 25 de maio de 2016

utopias




 a proposta de redação da usp (fuvest), em janeiro deste ano, 2016, propôs discussão sobre “utopia“. colocou verbete de dicionário filosófico (abbagnano), um poema de drummond (“cidade prevista”) e um trecho do comentário de f. rouvillois (filósofo francês contemporâneo) a respeito do termo e do livro de thomas morus. feito isto, os examinadores da prova pediam para que se fizesse um texto argumentativo (dissertação) que respondesse à questão: as utopias são nocivas, inúteis ou indispensáveis?
a mim, quanto mais se sonha com algo dito perfeito, mais terrível é o entorno. quanto mais se quer um lugar no fim do arco-íris, mais terrível se mostra seu ambiente, sua escolha de carreira, seus amores, tudo. quem precisa de utopia não sabe transformar o mundo. eu não preciso de utopias. preciso alcançar o que planejo e planejei. publicar, viajar, amar, melhorar o trabalho, viajar de novo, amar mais, cozinhar, fotografar… mesmo que a ponte preta perca. ponte campeã? af … utopia.

terça-feira, 24 de maio de 2016

quinta-feira, 19 de maio de 2016

o burrinho pedrês




chico chato, sete de ouros, brinquinho e rolete foram alguns dos nomes que o buirrinho recebeu durante sua vida. e que vida!
trata-se do primeiro conto da série "sagarana", de joão guimarães rosa.
veja-me!





romeu e julieta




conhece a história amorosa com sabor de tragédia?
claro que sim.
sabia que há uma chance de que uma certa julieta tenha mesmo existido? pois é... 
saiba mais agora!




quarta-feira, 18 de maio de 2016

a consciência do mal




 “o mito de sísifo” é um capítulo dentro do livro que leva este mesmo nome, assinado por albert camus, em 1943. ele, escritor modernista, lavado de existencialismo. 
penso nesse texto porque falo e falarei sempre de “a hora e a vez de augusto matraga”, do rosa, nosso melhor escritor. o livro em questão é “sagarana“, de onde “a hora e a vez…” é um dos contos. “sagarana” é palavra composta, meio germânica, meio tupi. numa tradução livre, teríamos “à moda de histórias épicas“. são narrativas míticas. aventuras que provocam reflexão. longe da realidade, o homem se realiza mais, penso eu.
voltando ao camus. sísifo é elemento da mitologia grega que é condenado a carregar uma pedra até o cimo de um monte. ela, por ser o que é, rola para a planície. sísifo desce o morro e faz o caminho de subida novamente. até que a pedra role novamente. isso seria o mal. o castigo? o castigo em si ou a consciência do trabalho inútil?
em “a hora e a vez de augusto matraga” pode-se dizer que o mal é a vingança que, para nhô augusto, se fazia necessária. não vou resumir a história aqui, não é isso que importa, nesse espaço. a questão é expor a ideia do mal para que, sustentado por alguma verdade, se tenha domínio sobre o medo do mal. não sei o que é pior, juro: um ou outro. o que faz matraga sair à revelia da razão, montado num jumento, pode não ser loucura, mas medo dela. matraga é figura criada para resolver questões à bala. como se sabe, passa quase sete anos, mais ou menos, no sítio do casal quitéria e serapião, regenerado. supostamente. provocado por joãozinho bem-bem e por seu próprio medo de não recuperar mais identidade perdida, matraga sai do sítio e vai ao seu destino. é redenção. é felicidade. é o enfrentamento do mal.
em “o mito de sísifo“, camus expõe sua curiosidade. diz ele: “Sísifo vê então a pedra resvalar em poucos instantes para esse mundo inferior de onde será preciso trazê-la de novo para os cimos. E desce outra vez à planície. É durante esse regresso, esta pausa, que Sísifo me interessa. Um rosto que sofre tão perto das pedras já é, ele próprio, pedra! Vejo esse homem descer outra vez, com um andar pesado, mas igual, para o momento, cujo fim nunca conhecerá. (…) Em cada um desses instantes em que ele abandona os cumes e se enterra pouco a pouco nos covis dos deuses, Sísifo é superior ao seu destino. É mais forte que o seu rochedo.
ter a consciência do mal não nos faz menos sofredores, mas é meio caminho para um enfrentamento. o mal não se resolve. um samba de vinícius vaticina: “tristeza não tem fim; felicidade sim”. 
se como muita gente apressada diz que o mal é o oposto do bem, então tudo é permitido. o mal seria um “bem invertido”. pausa para riso de escárnio. balela. se o bem é uma sensação de conforto, prazer, então temos um conceito abstrato para este bem. logo, se o mal for mesmo o oposto do bem, então ele não é uma ideia, uma abstração, sendo então possível encontrá-lo em um objeto, numa gaveta ou estampado em camisas. pois é. o mal sendo contrário do bem é raciocínio que interessa aos religiosos cristãos, nada mais. o mal como não-ser está presente desde antes de agostinho (séc V d.c.). se se pensa que o ser é o bem, então o mal é aquele nada. aquele que não é. difícil definir o não-ser sem apresentar contradição. à medida que se conceitua, se nomeia esse “não” então ele deixaria de ser o “não” para já ter alguma existência, mesmo que em conceito. mal é aquilo que acontece enquanto o prazer não vem. algo parecido com outro mito, o de tântalo. ele, castigado também, está numa região natural e, ao buscar água, esta se distancia; ao erguer-se para colher frutos, estes se erguem, em seus galhos, impedindo a tântalo de os alcançar. querer, desejar, é infinito. alcançar o equilíbrio da pedra no alto do morro já é sonhar demais…. 



terça-feira, 17 de maio de 2016