Mostrando postagens com marcador milly. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador milly. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2024

jogador ruim ou sistema de jogo mal colado?

 


[ arte: carlos h carneiro via i. a. ]

"(...) Precisamos desneymarizar nosso futebol e um bom começo seria refundando a CBF como um todo. Repensar o jogo a partir de nossas brasilidades, essas que o professor Luiz A Simas ensina que vivem nas frestas. Parar de imitar o que fazem na Europa e de importar a espetacularização que os Estados Unidos associam ao esporte. Resistir à força privatizadora que invade todas as áreas de nossas vidas. Salvar nosso futebol para que, desse modo, possamos oferecer, como alternativa, uma rota de fuga a essa brutal ordem social que nos assola…"

                               [ milly lacombe - portal uol - fevereiro 2024 ]

concordo com essa teoria de milly porque a gente vê que o futebol brasileiro é mal gerido e só faz os fãs passarem vergonha. é uma tragédia. calendário estúpido, contendo torneios regionais que melhoram zero tanto espetáculo como técnica. são torneios semi-amadores e, claro, deveriam existir neste âmbito: dentro de segundas e terceiras divisões, em seus estados. não se trata, por exemplo, de acabar com os estaduais, mas construir um campeonato mais longo, com mais equipes -- as tais "pequenas" -- para que estas então, joguem mais do que esses quatro meses. as agremiações tidas como "grandes" jogariam torneio regional com menos datas, como se fosse uma pré-temporada, com menos desgastes. olhem, é urgente a criação da série "e", no país. além de torneios regionais decentes, como a copa nordeste. 
tem mais: muitos supostos comentaristas de futebol fazem coro com as viúvas de pelé e dizem que jogadores são ruins, hoje. é patético. jogadores ruins sempre existiram. alguns até foram pra copa do mundo, como gil (
avançado), marinho chagas (lateral), henrique (defensor) ou dario dadá (avançado). e milhares de outros pernas de pau por aí, povoando nossos campos. a questão é fácil: o sistema de jogo, no passado, valorizava transição rápida do meio ao ataque, além do drible, claro. hoje, isso acabou porque na europa não é assim. jogador que dribla muito e parte pra cima das linhas adversárias deixa seu setor descoberto. melhor -- para europeus -- o passe, deslocamento curto etc... isso é bom? é ruim? é europeu, ponto. agora, por que copiar? resposta: porque é preciso exportar jogadores jovens que não precisem adaptação, quando forem vendidos para europa, evitando prejuízos a seus agentes e clubes.


terça-feira, 20 de dezembro de 2022

de homens para homens

 

milly lacombe, mais uma vez, brilhante:

"O troféu de melhor goleiro da Copa como um imenso pênis rígido: que final apoteótico para um torneio radicalmente testosterônico. O que representa mais o poder do que o falo imenso e ereto?... Perto de Emiliano Martínez enquanto ele fazia de seu trofeu o simulacro de um pau duro apontando para uma parte da torcida estavam os homens mais poderosos do mundo: o Emir do Qatar, o genro de Donald Trump, (Kushner), o bilionário abobado que comprou o Twitter - Elon Musk -, o presidente francês e uma série de outros magnatas que controlam tudo no mundo, das leis à comunicação. Uma Copa onde pouco se viu mulheres na torcida, num país em que não ser homem local de comportamento heterossexual faz de você um ser humano inferior. Tudo feito por homens para homens entre homens... (...)
Para levar a taça a campo no dia da final, Iker Casillas. Ao lado dele havia uma mulher elegantemente vestida. Não sei quem era, nem seu nome foi mencionado durante a transmissão. Perdi alguma coisa? Alguém sabe de quem estou falando ou se tratava apenas de um troféu ao lado da taça? Mulheres não interessam e não importa dizer seus nomes.
O futebol é uma das poucas arenas onde homens heterossexuais podem demonstrar carinho um pelo outro sem correrem o risco de serem chamados de viados. O homem branco heterossexual e burguês é entendido como o sujeito político universal. Não se fala em identidade nesse caso."

    [ portal uol - dezembro 2022 ]

veja o texto completo de milly - clica

sexta-feira, 16 de setembro de 2022

democarcia, vera magalhães e a eleição de 2022

 

milly lacombe, mais uma vez, deixando claro o mundo atual:

"Vera Magalhães virou alvo da violência Bolsonarista. Não são lobos solitários que investem contra o corpo e a dignidade da jornalista. São agentes bem orientados por um tipo de lógica de morte que há mais de quatro anos controla esse país em todos os níveis. O Bolsonarismo precisa da violência de gênero como um vampiro precisa de sangue. Esse é um dos pilares que estruturam a sociedade que bolsonaristas querem erguer (...) Nesse projeto de sociedade, florestas viram pó, corrupção está liberada (chamam rachadinha que é para não assustar), pessoas negras não apitam muito, LGBTQs podem morrer porque não fazem falta. Nessa sociedade, a lógica é miliciana do começo ao fim. Vera Magalhães foi escolhida por essa turma covarde para virar, literal e simbolicamente, o rosto do inimigo (...)[ portal UOL ]

clique para ler o texto todo de milly

olhem, esse atual governo (2019-22) já causou muita trinca na vida brasileira, muita vergonha em que tem mais de um neurônio, por isso, esse tipo de governança precisa acabar. precisa acabar não porque seja uma opinião minha, mas é defesa de humanidade. 
vejam que mesmo vera magalhães, em passado recente, fez deboche da violência sofrida pela ex-ministra damares, além destilar escárnio sobre  a visita de lula ao velório de sua então esposa marisa. claro, nada justifica a violência por ela sofrida. registro isso pra que se tenha ideia do estado de horror e violência em que nos encontramos.
o que fazer: não se deixar contaminar pelo discurso de ódio; não compactuar com quem faz campanha pelo armamento de civis; valorizar o debate sobre atualidades, nas escolas; divulgar ações a respeito do meio ambiente, a respeito da democracia; apoiar candidatos de partidos que são a favor da educação e respeito à diversidade... juro, não é difícil.
vejam, a questão não é votar no fulano, na fulana, mas sim saber a qual plataforma pertencem... porque são os princípios do partido que valem na hora de votar ou barrar projetos, nas assembleias estaduais e na federal, em brasília.
então, sabendo qual é a plataforma (
partido) do candididato ou candidata fica simples perceber se vale a pena ou não apoiar.