segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

introdução - redação argumentativa - dissertação




muita gente apresenta dificuldade para inciar uma redação, principalmente quando o texto é um exame vestibular ou uma prova escolar.

vamos lá!


aristóteles já dizia: 
 "a introdução é aquilo que não pede nada antes, mas que exige algo depois".
ele tinha razão, pois a introdução  inicia o leitor no assunto

  na introdução
APRESENTAR AO LEITOR  - -

1 assunto a ser abordado, localizá-lo no tempo e no espaço
2 - contextualizar
3-  apresentar sua tese (ideia) a respeito do tema sugerido


se o tema para sua redação for, por exemplo, o lixo e a necessidade de cuidados com reciclagem, vai a sugestão: nunca use clichês! são expressões de autoria universal, são praticamente ditos populares, de domínio público, não vale. começar um texto com "era uma vez uma garrafa pet boiando no riacho" não dá. muito menos "numa linda manhã, o bueiro chorava com a chuva e os detritos", não. pior é "no mundo em que vivemos". é de moer o pâncreas de quem lê

se não está seguro quanto a termos que não sejam considerados clichê, use o tema como sujeito de seu discurso

assim:

"os cuidados com o reaproveitamento do que se descarta, na vida urbana, são importantes ..."

ou

"lixo pode ser reaproveitado. nele mora uma série de ações que geram emprego ..."

contextualizar significa colocar sua frase em algum lugar no tempo e espaço. não seja genérico, usando termos como "mundo", "universo" ... particularize. se o tem é lixo, com certeza tratamos das relações dos humanos com ele na vida urbana.

assim:

"os cuidados com aproveitamento do que se descarta, na vida urbana, são importantes, uma vez que desde o final do século 20 até aqui, a atividade da reciclagem gera emprego e diminui índices de poluição ..."

na sequência, em sua introdução, faça uma afirmação segura a respeito do tema
ela -- a afirmação -- é sua tese, sua ideia

qual sua ideia? num rascunho, arrisque, por exemplo: lixo reciclado é saúde

pronto: basta juntar a tese à introdução

desta forma:

"os cuidados com aproveitamento do que se descarta, na vida urbana, são importantes, uma vez que desde o final do século 20 até aqui, a atividade da reciclagem gera emprego e diminui índices de poluição [ parágrafo ] importante destacar que, nesse sentido, reaproveitar o lixo é atividade saudável em uma sociedade organizada"

. . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .   .   .   .

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

a falência - julia lopes de almeida - resenha





romance
1901

literatura brasileira

rio de janeiro
café - ostentação - adultério - orgulho - falência

PERSONAGENS

Francisco Theodoro – cafeicultor; gordo, calvo, poderoso
Gama Torres – negociante de café elogiado por Francisco
Camila  -  esposa de Theodoro
Mário – um dos quatro filhos do casal Theodoro-Camila
Gervásio  -  médico; letrado; amante de Camila
Joaquim  - dono de um armazém
Senra  -  guarda-livros; contador
Rino  – oficial marinha - apaixonado por Camila
Joana –  tia de Camila

. . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .    .    .

saber tudo ?
assista!




quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

literatura para quem precisa



professores, estudantes, diletantes, curiosos, escritores, muita gente aqui e ali gosta de livros. alguns preferem biografia, receita, textos técnicos, pesquisa, curiosidades, história... outros vão pelo caminho da poesia, da ficção, o romance, conto e o teatro.

enfim, o que se procura quando se lê uma obra? passar o tempo?... aprendizado de conteúdos?

especialista em assuntos gerais, eu sou taxativo: ler amplia vocabulário. não precisa ser ficção, criação, como um romance ou conto. pode ser a biografia, a revista responsável, jornal...
o que significa ampliar vocabulário? ampliar os nomes das coisas. dar nome aos bois, você já deve ter ouvido falar. por isso, a literatura pode ajudar a arejar sua trajetória. sim, com mais capacidade de nomear sensações, estados de alma, ações, intenções, o leitor,a leitora pode enfrentar melhor as dificuldades.
aprendemos a considerar o contexto em que se encontram determinadas expressões, por isso, a magia da leitura nos dá a chance do clichê: abre horizontes. se bem que abrir um horizonte, pra mim, é pleonasmo, hipérbole, esquisito mesmo.
enfim, ler alimenta o intelecto e, principalmente, no caso da fantasia, nos dá dimensão do nosso infinito.

saiba mais!
clica nos vídeos!








segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

rio da discórida - tema para redação




rio tietê transborda e cobre parte da cidade de salto com lixo. rio jundiaí também contribuiu.
claro que após estas cenas, em fevereiro 2019, muita gente culpará o governante do dia pela façanha do rio... outros irão pedir fiscalização. outros ainda vão clamar para que o rio tenha arma e se defenda desses vândalos que atiram lixo em suas águas.

a questão não é de fiscalização, simplesmente. não é possível colocar um fiscal para cada dez ou cem habitantes, em são paulo. basta não sujar o rio.
as escolas são excelente lugar para se exercitar esse tipo de ação: ética. preservação ambiental. respeito à cidade. cidadania, enfim.

contudo, sabemos que desde 2017 há um levante contra a escola sob alegação de que ela é doutrinadora. pior: doutrinadora comunista. como já disse minha amiga lusimar, a burrice deveria doer em alguma parte do corpo da pessoa. se houvesse doutrinação esquerdista, de verdade, esse jair não teria sido eleito. nem ele, nem dória ou frota.
educação ambiental começa em casa, claro. há os que têm espaço até par separar o que é reciclável. quem não tem, poderia, pelo menos aprender a não destruir a natureza. mas só a escola não basta. imprensa, templos, igrejas de toda ordem, todos deveriam mesmo se preocupar com a vida que existe de verdade.

fica o desafio. passar o resto da vida sem emporcalhar a cidade.
e ninguém solta a mão de ninguém.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

tema redação enem - capital versus democracia - nova distopia




"O capitalismo e a democracia liberal triunfaram sobre o fascismo em 1945 e sobre o comunismo no começo dos anos 1990 com a queda da União Soviética. Com a dissolução da União Soviética e o advento da globalização, seus destinos foram desenredados. A crescente bifurcação entre a democracia e o capital é a nova ameaça para a civilização. (...)
Nesta nova paisagem, o conhecimento será definido como conhecimento para o mercado. O próprio mercado será re-imaginado como o mecanismo principal para a validação da verdade. Como os mercados estão se transformando cada vez mais em estruturas e tecnologias algorítmicas, o único conhecimento útil será algorítmico. Em vez de pessoas com corpo, história e carne, inferências estatísticas serão tudo o que conta. As estatísticas e outros dados importantes serão derivados principalmente da computação. Como resultado da confusão de conhecimento, tecnologia e mercados, o desprezo se estenderá a qualquer pessoa que não tiver nada para vender. (...)"

                                                                        [ Achille Mbembe, professor camaronês ]


a nova distopia, a nova tempestade de ignorância e violência contra liberdades veio e já está se instalando. é inegável que a ascensão do novo fascismo e da ultra-direita colocam em risco não só a democracia como a própria vida de quem ousar pensar diferente.


em busca de um lugar à sombra de um banco, a nova sociedade capitalista se diz empreendedora e isso, em tese, é até bom. um novo estado de relações está se criando sob o signo do mercado, do algoritmo. por quê? o que significa?


saiba mais aqui :





                             [ redação modelo enem - veja como fazer seu próprio texto ]








sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Descreve com galharda propriedade o labirinto confuso de suas desconfianças - gregório de matos




Descreve com galharda propriedade o labirinto 
confuso de suas desconfianças


Ó caos confuso, labirinto horrendo,
Onde não topo luz, nem fio achando,
Lugar de glória, aonde estou penando,
Casa da morte, aonde estou vivendo!

Ó voz sem distinção, Babel tremendo,
Pesada fantasia, sono brando,
Onde o mesmo, que toco, estou sonhando,
Onde o próprio, que escuto, não entendo!

Sempre és certeza, nunca desengano,
E a ambas propensões, com igualdade
No bem te não penetro, nem no dano.

És ciúme martírio da vontade,
Verdadeiro tormento para engano,
E cega presunção para verdade.


. . . . . . . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .    .


  • poema de caráter subjetivo, lírico e reflexivo
  • pessimista


. . . . . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .

notas -

     Babel –
      bíblico: torre inacabada por castigo divino, daí seus idiomas se diferenciaram;
                   confusão

     Paradoxos

             1.sofrimento no lugar de glória  - verso 3
             2.morte e vida – verso 4

     Antíteses    certeza / desengano
       penando  / vivendo
      engano  / verdade


quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

queixa-se o poeta da plebe ignorante e perseguidora das virtudes - gregório de matos




QUEIXA-SE O POETA DA PLEBE IGNORANTE E PERSEGUIDORA DAS VIRTUDES

Que me quer o Brasil que me persegue?
Que me querem pagastes que me invejam?
Não veem que os entendidos me cortejam,
E que os nobres é gente que me segue?
Com seu ódio a canalha que consegue?
Com sua inveja os néscios que motejam?
Se quando os néscios por meu mal mourejam
Fazem os sábios que a meu mal me entregue.
Isto posto, ignorantes e canalha,
Se ficam por canalha e ignorantes
No sol das bestas a roerem a palha:
E se os Senhores nobres e elegantes
Não querem que o soneto vá de valha,
Não vá, que tem terríveis consoantes.
. . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .    .

- poeta expõe sua indignação com quem lhe censura
- o alvo é a elite (senhores nobre e elegantes)

notas - - - - - - - - - - -  -  -  -  -   -   - 

néscio
ignorante

canalha
patife; miserável; infame

mourejar
trabalhar muito; suar

consoante
harmonioso; afinado; ajustado; rima

motejar
grecejar; escarnecer; sugerir motes
para desenvolver poemas

vá de valha
o soneto vai além do que está registrado

. . . . . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .   .    .

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

lourival bezerra e a sexualidade dos brasileiros



muito comum, depois de matérias pela imprensa ouvir ou ler isto: "lourival, 78 anos, casado, filhos, depois que morreu, descobriu-se que era mulher".
como assim? viveu como homem, se comportava assim, queria ser assim, quem é você pra dizer o que ele era? por quê? é a genitália que define gênero sempre? vamos falar de gênero sim!
pior, o laudo, via samu da cidade de campo grande, registra seu nome como "desconhecido". oi ?

a pessoa escolhe o que fazer de seu corpo e, principalmente, sua identidade!


por que a sexualidade de uma pessoa incomoda tanto? principalmente aqueles que se intitulam "pela família"? pior são os que invocam nomes de entidades mitológicas bíblicas. brota o ódio, o desejo de extirpar da existência quem é diferente.
nada contra as religiões, diga-se. nada contra, enquanto ferramenta de auto-estima, bem-comum e civilidade. agora, em nome de algum mito romano, árabe ou grego querer julgar ou banir da existência as opções de identidade de alguém, aí é violência, desrespeito. burrice mesmo.









o que é literatura - gêneros - passo a passo #2





GÊNEROS LITERÁRIOS

      [ modos diversos de usar a linguagem literária ]


épico – textos narrativos, heroicos, guerreiros e de caráter histórico
os lusíadas (camões)


lírico – textos de expressão subjetiva, individual, revelando emoção
soneto, elegia, ode, haicai, rap, dentre outros, são formas tradicionais do lirismo



dramático – a ação e voz são entregues a personagens que contam história
através de diálogo ou monólogo
rei édipo (sófocles), hamlet (shakespeare) e o noviço (martins pena) 

para complementar, assista:











sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

erros e a chance de acertar





terra plana, campanha contra vacinação, feminicídios, homofobia, invasão de terras indígenas, parcela da justiça permissiva diante dos crimes da cia. vale do rio doce, campanhas para armar o cidadão comum, nada de buscar assassinos de marielle franco, nada de buscar quem ameaça deputado humanista... a lista é interminável, desde os começos de 2018...

onde está o erro?
primeiro, a ascensão do fundamentalismo através do rádio, tv e congresso ligados ao que eles mesmos chamam de "bancada evangélica". é estarrecedor como cresceu esse tipo de postura que, no limite, prega o ódio a quem pensa e quer agir como vivente de um país laico. homossexualidade, interrupção de gravidez e senso crítico sobre a história não são temas bem-vindos no universo de quem então se diz religioso, cristão, cidadão de bem. há exceções eu sei, mas são tão poucos religiosos como irmã dorothy (assassinada), pedro casaldáliga, evaristo arns, frei betto ou francisco (argentino papa) que pouca diferença fazem, apesar de seus reconhecidos esforços.

segundo, o desmanche do sistema educativo, desde a ditadura militar. o projeto era justamente este: emburrecer o brasileiro médio e dar ele circo e meio pão. redes de tv aberta, rádios infestadas de evangelismo dinheirista, canais de tv por assinatura com esse conteúdo bíblico anti-democracia, parte da imprensa comprada pelas verbas de publicidade do governo e isso resulta numa alienação sem precedentes, a ponto de existir quem questione a contribuição do professor paulo freire para educação, no planeta, por exemplo. é estarrecedor.

terceiro, as notícias falsas facilmente plantadas nesta era digital em que tudo vale, tudo pode ser verdade, não há menor pudor em compartilhar ameças de morte, repúdio aos diferentes e uso de robôs para curtir mensagens de ódio... etc etc...

o que fazer?
apostar na educação, na leitura de mundo, no compartilhamento de conteúdos básicos de cidadania.
filosofia, matemática, pesquisa científica, lazer, jogos e dinâmicas de grupo, leitura, debate, isso tudo tem sido alvo de figuras como a aberração "escola sem partido" e seus companheiros de coche. valorizar o pensamento crítico, ter argumentos simples, sólidos para o que se quer sustentar. compartilhar conteúdo educativo... precisamos de toda ajuda.

e não soltar a mão de ninguém.