Mostrando postagens com marcador realismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador realismo. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 6 de abril de 2023

casa velha - machado de assis - resumo

                                                 

casa velha é narrativa relativamente curta, em prosa, e chamamos de "novela". o trabalho de machado saiu na revsita "estação", entre 1885 e 86.

o que tem nessa história:

rio de janeiro: 1839 é o tempo da narrativa. um casarão já antigo -- a casa velha -- com antônia, a viúva do ministro de d pedro I, no comando do lugar. há uma capela, no espaço externo.

 destaques
  padre narrador - 32 anos
  félix - filho de antônia
  antônia - viúva, dona da casa
  cláudia - 17 anos, órfã, cuidada por tia mafalda, educada na casa velha
  vitorino - moço humilde pretendente de cláudia (lalau)
  sinhazinha - futura esposa de félix

a trama: padre narrador quer escrever uma história sobre política nos tempos de pedro I. por indicação, vai até uma casa velha porque lá há documentos que podem ajudar a pesquisa, uma vez que o dono da casa, já falecido, foi ministro do rei. na casa velha, o padre desconfia de um amor entre félix (filho de antônia) e cláudia (lalau).
leitor fica sabendo que a mãe de félix não quer a relação pelo fato da moça ser pobre. por insistência na liberação da relação entre ambos, o padre acaba descobrindo -- via d. antônia -- que os jovens podem ser irmãos, porque o tal ministro teve um caso extraconjugal com mãe de lalau. os jovens tomam ciência do fato, ficam tristes, separam-se.

mais tarde, o padre faz novas pesquisas e acaba sabendo que o filho que o minsitro teve com a mãe de cláudia faleceu com meses de idade. não era lalau, então, a irmã de félix: ela já era nascida quando o caso extraconjugal do marido de antônia se deu. tudo parecia resolver-se, quando o padre descobre que antônia inventou mesmo a história da possibilidade dos jovens serem irmãos justamente para separá-los. antônia tinha noção de que lalau não era irmã de félix... o tal padre narrador tenta reaproximar os dois, mas não dá certo: a jovem prefere ficar longe da casa pois o tal ministro envergonhou sua família. fim.

   . . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .   .   .   .

a "casa velha" pode sim ser uma representação figurada do império brasileiro da época. existe a dona do espaço (antônia), existe o clero (narrador) e existe um pedro II querendo a maioridade (félix).
assuntos como a guerrados farrapos e a maioridade iminente do filho de pedro I permeiam a narrativa, é bom saber: eles são citados sim, daí ser relativamente fácil fazer o paralelo entre o casarão de antônia e o império brasileiro.
há uma outra questão importante, envolvendo padre narrador e sua personalidade, por conta da citação de um livro, visto dentro da casa: "storia fiorentina" e mostra uma nova visão sobre a relação do religioso com os dois jovens -- o que torna a capa do livro, no alto deste post, bem mais significativa.
agora, pra saber tudo, você precisa ver o vídeo abaixo.

sábado, 8 de agosto de 2020

quincas borba - machado - em sala de aula



pensando em quem procura instigar leitura para seus alunos(as) / alunxs fiz uma chuva de ideias... não é bem chuva, pode ser garoa, mas está valendo.

quincas borba - machado de assis, século 19.
realismo

pontos da tal chuva de ideias sobre o que tratar a partir de "quincas borba"

1. o que é realismo / mostrar tela courbet "quebradores de pedras" e afins, na época

2. rubião quis aproximar sua irmã do milionário quincas borba / barbacena

3. morrem borba e piedade, a irmã de rubião

4. observando a baía de botafogo, já no rio de janeiro, rubião reflete sobre o lado bom dessa morte e a não realização do casamento

5. ali mesmo, na sala, conversa com funcionário sobre o cachorro... há referência a estrangeiros / debater eugenia / imigração

6. durante o processo de inventário de borba, alguém sugere que o estado mental da pessoa não permitiria lavrar documento de herança etc.

6.a. observação não vinga

6.b. processo terminado, rubião milionário

6.c. festa com palha e gente do fórum!... que malandragem!

10. sofia e rubião se aproximam: senha para que ela e o marido explorem financeiramente o sonhador e ingênuo rubião

O QUE PODE SER FEITO  -   -  -

discutir :


- interesse / ambição / cobiça
- leviandade do casal sofia-palha
- o que o capitalismo oferece enquanto chance de enriquecimento
- imigração / eugenia 
- humanitismo: ironia do narrador quanto às teorias científicas vigentes, como determinismo, darwinismo e outras.








terça-feira, 7 de maio de 2019

antero de quental - poesia universal





antero de quental [ 1814 - 91 ]

poesia pós-romântica

poeta filósofo

protagonista da questão coimbrã

amigo de germano meireles

quase amigo de ramalho ortigão

inimigo natural de antonio castilho


saiba mais sobre os temas acima, nesses dois vídeos!






sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

a falência - julia lopes de almeida - resenha





romance
1901

literatura brasileira

rio de janeiro
café - ostentação - adultério - orgulho - falência

PERSONAGENS

Francisco Theodoro – cafeicultor; gordo, calvo, poderoso
Gama Torres – negociante de café elogiado por Francisco
Camila  -  esposa de Theodoro
Mário – um dos quatro filhos do casal Theodoro-Camila
Gervásio  -  médico; letrado; amante de Camila
Joaquim  - dono de um armazém
Senra  -  guarda-livros; contador
Rino  – oficial marinha - apaixonado por Camila
Joana –  tia de Camila

. . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .    .    .

saber tudo ?
assista!




terça-feira, 11 de setembro de 2018

o gato preto - edgar allan poe - resumo





o narrador em primeira pessoa, neste conto de terror, revela que gosta de animais.
ele vai ter uma relação específica, emotiva, bipolar, com seu gato preto... o preferido.
vai ver também...

forca
machadada na cabeça
parede falsa
sangue

muita coisa...

conheça toda a história e também a casa do escritor, na pensilvânia

agora!

assista-nos! eu e edson capellato jr


quarta-feira, 18 de abril de 2018

a relíquia - eça de queiroz - resumo






romance de eça de queiroz, narrado em primeira pessoa pelo personagem teodorico raposo, o "raposão". ele precisa provar a sua tia patrocínio que é merecedor da herança da mulher. para isso, bastava que ele fosse uma espécie de beato, religioso, carola mesmo. contudo, sua personalidade é de um espertalhão, mulherengo. tudo isso, no século dezenove. é o período realista.
saber mais ?
assista-me!




terça-feira, 3 de abril de 2018

fotografia - atividade história da arte - ensino médio







em março de 2018, campinas, sp, na escola em que trabalho, fiz atividade extraclasse. o tema era a fotografia. o motivo: livro didático de beá meira trata do assunto, dentro do capítulo  respeito do realismo, estilo atístico do século 19. cita hercules florence, inventor da fotografia impressa, lá em 1833. interessante que, mesmo antes de daguerre, florence fez essa descoberta aqui, em campinas, américa do sul, isso mesmo. pena que pouca gente saiba disso.

mas atividade foi simples e rendeu bons trabalhos. tudo com os aparelhos celulares deles, os alunos da segunda série, ensino médio.

veja como :



quinta-feira, 14 de setembro de 2017

aula memórias póstumas de brás cubas - machado




* converse com seus alunos sobre o período literário: decadência do romantismo; ascensão do realismo  [ matéria psicológica; crítica social; norma culta ]

* a tirinha de angeli, acima, abre chance de se falar das correntes de pensamento, na segunda metade do século 19: darwnismo [há também o marxismo, positivismo e determinismo]

* excelente oportunidade para continuar valorizando a saúde do estado laico; deixar para escolas confessionais a crença em mitos etc. e mesmo nas confessionais,  diante de qualquer assunto, há de se respeitar a ciência

* "mem póstumas de brás cubas", 1881, é considerado o início do período realista, no brasil

* mostre o prefácio :

"Que Stendhal confessas haver escrito um de seus livros para cem leitores, coisa é que admira e consterna. O que não admira nem provavelmente consternará é se este outro livro não tiver os cem leitores de Stendhal. Nem cinquenta, nem vinte e, quando muito, dez. Dez? Talvez cinco. (...) Mas eu ainda espero angariar as simpatias da opinião, e o primeiro remédio é fugir a um prólogo explícito e longo. O melhor prólogo é o que contém menos coisas, ou o que as diz de um jeito obscuro e truncado. Conseguintemente, evito contar o processo extraordinário que empreguei na composição destas Memórias, trabalhadas cá no outro mundo. Seria curioso, mas nimiamente extenso, e aliás desnecessário ao entendimento da obra. A obra em si mesma é tudo: se te agradar, fino leitor, pago-me da tarefa; se te não agradar, pago-te com um piparote, e adeus." [ Machado de Assis ]
  
* destacar o caráter prepotente, ácido, arrogante do narrador

* se houver tempo, leia o início do capítulo "o menino é pai do homem"; reforce a ideia de que o caráter científico domina a época... o narrador irá deixar claro, ao leitor, que aquilo que se viveu e aprendeu, na infância, será a base para o adulto... daí a licença poética "menino que é pai do homem", ou seja, é a criança que determina o que o adulto será

. . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .    .

professor(a),  
a ideia, aqui no blog, nesta série, não é ser definitivo, com algo muito extenso, em cada post... mas sim deixar material suficiente para uns 50 ou 40 minutos

algo para, de repente, um exercício, depois do seu debate, uma avaliação, uma tarefa de casa...
use este material como lhe convier!

acompanhe, toda semana, uma aula diferente
. . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .   .   .   .

siga-me!
@literaturapretensiosa
@carneiro_liter

. . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .

mais sobre machado :






quarta-feira, 9 de agosto de 2017

conto de escola e as relações com a sala de aula




narrativa curta

um conflito

o debate está na corrupção, na delação e no modo como o professor conduz seu processo educativo

pilar é o narrador e recorda um momento vivido, na escola, quando tinha por volta de 10 anos ou nove. a relação professor-aluno é posta em xeque. a relação custo-benefício da corrupção também.

o que dizer, depois de centena de anos?

o que mudou na escola ?

saiba mais assistindo-me !





segunda-feira, 15 de maio de 2017

o primo basílio - eça de queiroz





romance da fase mais social do escritor português.

o livro sai em 1878.

narrativa em 3a pessoa cujo tema é o adultério.

triângulo amoroso : basílio - luísa - jorge.

crítica à hipocrisia da sociedade portuguesa.

juliana, a criada, é a personagem secundária que se torna o fiel da balança no quesito julgamento moral.

quer saber mais?

assista-me!


quarta-feira, 5 de outubro de 2016

o que é realismo





a tela aqui registrada é do lusitano silva porto. 1893. chama-se "ceifeiras". expõe realidade dura, ardida de sol, para as duas mulhres... ao infinito, toda a colheita por fazer.
no plano da escrita é escola literária nascida na frança, segunda metade do século 19.
1857, diz a história. "madame bovary", falubert assina o romance polêmico pra época.
e aqui no brasil? quem foi o autor que primeiro topou mudar de estilo  superar a lenga lenga dos românticos?
assista-me !


segunda-feira, 26 de setembro de 2016

a cidade e as serras





quem tem medo de um jacinto?
e quatro jacintos numa história só?
estamos entre portugal e paris, século 19
riqueza, filosofia, tecnologia, tédio e alguma natureza.

"a cidade e as serras"

romance não dos melhores, do eça, mas está nas bocas dos vestibulares.
eu li!

veja o que fiz com ele.


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

capitu não é desdêmona





“dom casmurro” parece ser livro mais conhecido que lido. pelo menos, durante muito tempo, foi assim. hoje, com a retomada de Machado nos vestibulares, a situação do romance machadiano toma outros ares. referências como “othelo”, augusto, nero, “fausto”, metalinguagem, digressão, tornam o texto menos difuso para o leitor desavisado.

mais que a questão do adultério, cometido ou não por capitu, temos aqui uma história centrada na personalidade de Bento Santiago. filho único, muito protegido pela mãe, bentinho é o “inocente útil” dessa história, pretendido tanto por josé dias como por capitu --  cada um a seu modo, diga-se. narrador pouco confiável, Bento destila o egocentrismo e a carência afetiva com quem quer que seja, desde Manduca e escobar, até mesmo capitu ou o filho ezequiel, quase morto pelo café envenenado que não chegou a tomar. As digressões de bento adulto e a recorrência à metalinguagem, dão o sabor íntimo a essa história que possui características tanto do classicismo, como a coesão e busca da clareza, como também do Impressionismo, quando se trata da recriação do passado.  o dado “realista” está na preocupação com o psicológico; no modo ora cáustico, ora sensível com que o narrador se refere às pessoas, como na caracterização de tio cosme; do vizinho que ele conhece “de vista e de chapéu” ou nas referências a capitu e seus olhos. não temos aqui a idealização da mulher e do amor como encontramos no romantismo, mas sim uma preocupação em comparar, filosoficamente ou apenas por ironia (valorizando o leitor inteligente) a sua vida a uma ópera. compará-la também à tragédia othelo, ou mesmo valorizando sua “ingenuidade” diante da perspicácia de pessoas como josé dias, capitu e escobar.  


sábado, 11 de junho de 2016

ao verme que primeiro roeu ...etc




"memórias póstumas de brás cubas" é marca histórica na obra de seu autor, machado, assim como de toda nossa história literária.
saiu em 1881, no rio de janeiro, terra natal do autor.
inaugura, para muitos, nosso realismo. contudo, desde seu início, sabemos das firulas literárias de seu estilo, apresentando delírio de morte, teoria científica efêmera, frases curtas e a tal metalinguagem. está mais pra pré-modernismo do que qualquer outra coisa. enfim, a vida

vale a pena ler
e me assistir, por que não?