Mostrando postagens com marcador morrer. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador morrer. Mostrar todas as postagens

domingo, 24 de março de 2024

pensar na morte esvazia ansiedade

 

                                                        criação arte: carlos h carneiro
                                                                      -  via i. a.  -

na crônica  "sobre morte e morrer", machado registra: "qualquer de nós teria organizado este mundo bem melhor do que saiu". é a primeira linha. queria ter escrito isso, embora todo mundo diz tal coisa com outras palavras, gestos ou até silêncio. organizar o mundo é necessário, a começar pela vida própria. e pensar na morte esvazia um pouco a ansiedade, acreditem. dá ideia de que algo pode ficar como legado. algo bom ou ruim, não importa. falando nisso, mortes na literatura: pode-se começar por aquela quase suave em "iracema"; ou a sanguinolenta de "a hora a e a vez de augusto matraga" ou ainda a intensa de madalena, em "são bernardo". há outros tantos textos que passam pelo assunto “morte”, como em "o cortiço" (efeitos da miséria), "noite na taverna" (efeitos do álcool) ou "nove noites" (efeitos da angústia). 
numa outra crônica "considerações sobre o suicídio", o mesmo machado dispara: "(...) a questão do suicídio é antes resolvida no sentido da fraqueza que no da coragem. é um problema psicológico fácil de tratar entre o largo do machado e o da carioca. se o bond for elétrico, a solução é achada em metade do caminho".

discordo. quem bota fim na existência tem muita coragem. 
uma pilhéria ácida esse machado de assis (1839-1908).


* o nome "largo do machado" faz referência ao oleiro andré machado que, no século 18, era dono de terras no lugar

segunda-feira, 28 de março de 2022

quando a morte etc

 

                                                            [ moon & ba ]

a idade chega e a gente acaba pensando o que é morrer de fato; o que é esse fim, quando vai ser, essas coisas. acho que sempre pensei na morte, mas, ultimamente, com mais regularidade. é da vida pensar na morte, então acostuma-se. deve ser a idade. 

tenho pesadelos que passam por isso, essa coisa de achar que vai morer. tenho pesadelos, desde que me conheço por gente, acordo ofegante. me foi sugerido que talvez sofresse de apneia. é possível. já sofro de tanta coisa, mais uma não faz diferença.
talvez devesse buscar solução específica. eufemismo. isso mesmo, "solução específica" é um eufemismo pra "fim". se não sabe o que é "eufemismo", mexa-se, não vou explicar agora.
aliás, me mexi, nesses últimos anos, buscando alguma harmonia física e mental, mas às vezes acho que serviu foi pra nada. 
deve ser a idade. deve ser a morte mesmo.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

sermão da quarta-feira de cinza - 1673 - padre vieira






sermão pregado em roma, século 17, é uma extensão daquele de 1672, na mesma celebração do início da quaresma

a questão, aqui, é morrer duas vezes. morrer bem é antencipar-se à morte.

"Os que morrem já mortos têm o céu" // "Os que morrem vivos vão inferno"

outro trecho fundamental :
"Como diz logo a voz do céu a S. João: Bem-aventurados os mortos que morrem no Senhor? Mortos que morrem? Que mortos são estes? São aqueles mortos que acabam a vida antes de morrer.
Os que acabam a vida com a morte, são vivos que morrem, porque os tomou a morte vivos; os que acabam a vida antes de morrer, são mortos que morrem, porque os achou a morte já mortos. Estes são os mortos que morrem; (...); estes são os que a voz do céu canoniza por bem-aventurados: Beati mortui. E se os que morrem mortos são bem-aventurados, os que morrem vivos, que serão? Sem dúvida mal-aventurados."

morrer duas vezes? como ?

assista-me!


segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

morrer aos poucos






"não quero que uma nota de alegria se cale por meu triste passamento"

é verso do jovem azevedo, o maneco álvares, lá do século 19.
apesar da pouca idade (morreu ao 21 anos), sabia o que era morrer estando vivo.
não sei se pediria para que a festa continuasse depois que eu explodisse dessa vida... mundo, aliás, que qualquer pinguim cego teria feito um pouco melhor.
justiça, honestidade, respeito, esperança, acolhimento, tudo isso vi sumir no ralo do individualismo, da desconfiança e da raiva.
esse mundo não merece meu respeito.