Mostrando postagens com marcador café. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador café. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 14 de junho de 2024

mão na cabeça, freud!

 


dizem que terapia é exercício para cérebro, mas nos últimos tempos tem sido mais que isso. pra começar, não caio na armadilha do "corpo e alma", como se uma coisa existisse por si só, separada dessa outra (anima) sem forma nem definição. fim da idade média. o humano, desde aristóteles, é animal racional e, aí, já entramos noutro problema com palavras. por que só ele o racional? uma coruja elabora seu trajeto até o ninho, depois até a presa, prepara seu vôo, ataca, enfim, está usando algum tipo de lógica, seu insitinto, digamos, racional. qualquer bicho articulado (com exceção do macunaíma) elabora, pensa e age de acordo com seu meio também, mesmo que seja para mudá-lo, como os castores e os humanos. pensar não dói.

olhem, tanto lou marinoff quanto marc sautet  defendem o bem-estar do homem pela fiolosofia. se ainda não conhece, deveria ler "mais paltão, menos prozac", do primeiro, e "um café para sócrates", do segundo.



terça-feira, 28 de dezembro de 2021

um café para houaiss - enriqueça seu vocabulário

 


 FAÇA SOPA DE LETRINHAS COM MAIS NUTRIENTES

 A - primeira vogal, primeira letra do alfabeto. inicia palavras legais como "amor" ou "açúcar". Pode aparecer no fim, mudando o gênero. símbolo do ampère. pode ser pronome... maneira de representar o "alef" (semita) ou alfa. primeira coisa que você diz quando a cerveja vem pra mesa quase sem colarinho 

2022 - cem anos da "semana" mais famosa da história das artes brasileiras; a soma dos números dá seis, o que quer que isso signifique

ÁGUA - lugar onde os peixes transam; reflexo do céu e um dos principais componentes do corpo humano. é usada estupidamente para lavar carro no domingo e poodle de madame. também serve para tornar a história “a terceira margem do rio” (guimarães rosa) bem mais simbólica.

ABREVIATURA - ato de se abrir um carro de policia.

ALGUMA POESIA – livro de estreia de poeta mineiro (drummond) cheio de referências prolixas à paisagem mineira, definida por ele mesmo como “besta”. Conjunto de poemas pretensamente irônicos onde só se salvam “outubro 1930” e “nota social”, sendo este último a prévia do que seria o próprio poeta no futuro:  a cigarra era justamente manoel de barros.

alencar – escritor nacionalista brasileiro que adorava imitar o modelo europeu de folhetins; ficou famoso por ter inventado iracema, a virgem dos lábios de mel, da tribo tabajara... o nome da índia, aliás, é anagrama de “américa”, mas isso você já sabia. famosa mesmo é jesuína, a primeira figura da literatura nacional a se apaixonar por outra mulher, assim, sem rodeios... está lá, em “lucíola”... e dizem que romântico é moralista. eita, cearense porreta!

alopatiadar um rápido telefonema para a irmã da mãe. 

antigo – tudo que é relativo a museu ou às roupas do sílvio santos; diz-se do modo como machado de assis escreve, mas não é antiquado gostar de capitu e quincas borba.

ansiedade – um passo para a vitória, meio passo para a angústia eterna

amizade -  ligação entre pessoas que se respeitam. transparência, bom senso e liberdade compõem o mínimo que um termo desse carrega. tem gente que acha que “amizade” é enviar, pela internet, aquelas baboseiras sobre anjos, frases feitas sobre amor ou mesmo deus... e ai daquele que reclamar dizendo que não quer receber o que não pediu... amigos da onça, isso sim.  “a amizade é um amor que nunca morre." -  mário quintana.

amor – estado em que dor e prazer se confundem. sinônimo de aventura. “roma” de trás pra diante.  sentimento bem inferior à paixão. palavra que fez a fama de freud. diz-se de certa personagem, ofélia, em “hamlet”. ou isabel, em “o guarani. todos acreditam que é isso, o amor, que acontece em “werther”, mas não é.

angústia - inquietação; ansiedade; diz-se de romance de graciliano ramos, cujo personagem central, luís, passa pela vergonha de ser abandonado pela quase noiva, e ainda por cima se vê diante de um crime... o pior da angústia é ver-se a si próprio.

amador - o mesmo que masoquista.

arte - aquilo que a natureza não dá; tudo o que  michelângelo fazia; diz-se das coisas que romero britto vende.

b – mais gorda das letras do alfabeto, só perde para o “o” maiúsculo. faz lembrar bossa nova (tem gente que gosta), bicicleta, bilac, bandeira e banda “b”. nome do estado mais perfumado e colorido do país, a bahia produziu gente famosa sem a tal letra : é castro alves pra cá, gregório pra lá, até joão ubaldo! ironicamente, o filho de dona canô e o marido da zélia gattai também estão órfãos da bela letra.

bacanal - reunião anual de bacanas.

bruxa – certo tipo de borboleta ou boneca; diz-se de mulher feia ou má, o que é tremendo preconceito. bruxa é figura detentora do saber, principalmente aquele chamado de “mal”. mulheres sábias, por isso perseguidas... aliás, quem divide as coisas entre “bem” e “mal” é católico, eterno maniqueísta. até hoje o nome “bruxa” traz certa dose de medo, desconfiança... ô herança medieval que não sai ! 

camões - nome de famoso poeta português, autor de "os lusíadas" e também de façanhas no recife ! é sério. já leu "em nome do bispo", da zulmira r tavares? pare de fazer essa cara.

canguru – animal que carrega seus próprios problemas. líder espiritual de cachorros.

campo geral – história poética e quase infantil sobre um garoto míope, cuja referência é o irmão. migulim adora passarinhos e gosta de carinho.. que singelo. por outro lado, seu pai o espanca e seu irmão morre. vida trágica. fora a miséria. o final é emblemático : ao ganhar um par de óculos, vê o mundo de outra forma, incluindo o amor. guimarães rosa. quem mais?

campinas – cidade paulista que apareceu na primeira metade do século xviii, através do povo de jundiaí, por volta de 1721. governo de rodrigo cezar de menezes... a região envolvia a rocinha (hoje vinhedo) até o rio atibaia. contudo, o fundador de fato foi francisco barreto leme, nascido em caçapava velha (1704-1782) que, em 1774, recebeu ordens para povoar a região onde morava com a família, vivendo da agricultura. quem ordena o povoamento da região foi um tal morgado mateus, de são paulo. de 1721 até 74, tudo era jurisdição de jundiaí. pois bem, a rua barreto leme está ao lado da prefeitura, cruzando o riacho já canalizado. tomara que nenhum “notável” do esporte ou música desapareça para que um outro “notável” vereador queira dar seu nome no lugar do ilustre plantador de cidade.

      (colaborou :  duílio b filho / “campinas” ed pontes)

castiça -  de boa casta; pura; aquela que não está degenerada. colocando-se um l no final a palavra ganha mais luz e significado.

cemitério – local onde se depositam mortos e vasinhos com flores igualmente não vivas. lugar, em princípio democrático, embora nunca haja eleição lá. carlos gomes, fernando pessoa, joana d’arc ou gonçalves dias, por exemplo, nunca entraram num cemitério, e nem lá se encontram, o que torna a palavra “morte” bem mais simbólica...

cerveja – refrigerante de quem não é criança; líquido de tom amarelado e escuro que sai de nosso corpo quase o mesmo como entrou, com diferença de temperatura; suco de cevada que torna as pessoas mais sonolentas ou mais francas. engraçado que quem toma cerveja, geralmente não gosta de café sem açúcar...

carneiro  - mamífero lanífero, símbolo daquele que se oferece à morte para perdão dos pecadores... quem diria.

caetano – diz-se de entidade suprarreligiosa de origem baiana. um dos iniciadores da tropicália e dono de profundo mau-humor quanto à imprensa ou a quem quer que possa criticá-lo... ou a joão gilberto. compositor de uma música só (sampa), acredita ser o enviado do destino para curar os males do país. entra para a história como cantor de festival de televisão.

ciência – conjunção de conhecimentos próprios para o bem comum, mas na verdade serve à natureza dos negócios. raramente, no mundo, se fez ciência fora de tribunais ou em subsolo alheio. boa ciência era a de aristóteles, galileu, freud, marx e nina horta. há quem jure ser a arte uma ciência... (está ouvindo ? eu gargalhando)

corínthians – entidade social ligada a são jorge e ao esporte radical que é ficar debaixo daquela bandeirona mofada e úmida. conhecido clube que gera taquicardia, lágrimas e muito dinheiro (só para quem joga nele). gente como neco, luizinho, rivellino, sócrates ou fagner jogaram neste time e por ele. o resto passa como uma “ola” gigante...

cosmonauta – profissão criada por cosme, parceiro de damião.

culpa - transgressão; conduta negligente, segundo direito penal. agravo. mal. aquilo que se sente ao comprar mais uma obra do jorge amado. sensação inerente aos católicos, eternos devedores.

deus  -  entidade que, antigamente, andava com barbas longas e um caderninho para anotar nossos pecados. função psicológica necessária ao homem. é representado também por uma cobra que morde o próprio rabo. está ultimamente em descrédito depois que fernando pessoa passou a ser mais lido. deus é sempre de direita, notem: muitas pessoas foram queimadas em seu nome ou mesmo castradas, torturadas... algumas se mataram ou se deixaram matar, em arenas cheias de leões ou numa cruz. outras matam em nome dele. pegue o conto "vicente", miguel torga (bichos). ou o prefácio de “terra” (sebastião salgado). no quesito "teimosia" continua o mesmo, porém, lá no céu, decisões agora são de freud.

demônios - figuras ligadas geralmente ao mal. diabos. segundo a demonologia cristã, são anjos que traíram a natureza de si mesmos. não são de todo maus, pois, se assim fosse, não teriam derivado do bem. isso dá o que falar. costumam aparecer em túneis, parques abandonados, em igrejas onde três pessoas entraram de costas, às vezes em chaleiras com o bico entupido, esquecidas entre a pia e a janela da cozinha virada para o leste. chega. vá ler "o evangelho segundo jesus cristo", saramago. ou o singelo "eu e o bebu",  rubem braga.

espelho – do latim, “speculum”, é a parte da casa que mais mente.

estante – lugar onde se colocam estatuetas de aparecida do norte e garrafinhas com areia do maranhão. pouso para vasinhos com violeta. às vezes livros. expressão usada para evitar confusão: “espere um estante”.

elefante – mamífero pesado e patético. prova cabal de que a natureza não é justa; animal cheio de estrias e celulite nervosa, capaz de simbolizar falta de tato, o inverso da sutileza ou o tamanho daquela sua tia sexagenária; dizem que este é um animal muito inteligente, mas se peso e altura fossem sinal de sabedoria, as girafas teriam descoberto o anticoncepcional há mais tempo.

fé – confiança plena em algo; tipo de aceitação inerente aos seres humanos em desespero

felicidade -  situação própria de quem está com muito dinheiro ou conseguiu suportar "amor de perdição" até o final. nome de uma das personagens de "o primo basílio" (eça). lugar pra onde você vai quando a pessoa amada toca seu braço sem você ter pedido. é o mesmo que ter asas. "estado de orgasmo acima de 7 segundos" 

frankenstein – resultado de uma lipoaspiração malfeita, a criatura, uma modelo, saiu às pressas procurando ivo ptanguy, mas só achou joãosinho trinta e aquela besta da emília, do lobato. trata-se de sobrenome de médico que inventou uma criatura que aprendeu a ler, na alemanha, com “werther” (goethe) e “paraíso perdido” (milton)... imaginem se ela topasse com algum livro do drummond ou “mar morto”...! hoje seria ministro da educação ! cadê a chave!

genitália  - órgão reprodutor dos italianos.

guarani – nome de romance entre um índio e uma moça filha de portugueses, peri e ceci. quem escreveu foi alencar. não o da ópera, o do livro  mesmo. amor casto, heroísmo e vida selvagem movem a história, escrita com excesso de adjetivos e comparações. ceci é amada por três caretas, mas dois não têm metade da coragem de peri, que acaba ficando com a moça no fim. vejam do que é capaz a criatura das selvas : peri, num acesso de inteligência ou extremo da sandice, toma veneno para poder matar os índios inimigos que cercavam a casa de sua amada... estes, os aimorés, tinham o peculiar hábito de jantar os prisioneiros... peri esperava vencê-los depois de morto. já o time de campinas...

inês de castro - nome de famosa personagem da história de portugal, aquela que foi fênix sem ter sido rainha ou amada com muita densidade. em 1355 foi imolada e morta a mando de afonso iv, seu ex-futuro sogro, pai de pedro. está num caixão de pedra em alcobaça, junto a pedro. é aquela que no peito escrito tinhas etc etc.... (o resto em camões)

sábado, 9 de dezembro de 2017

nem tudo está perdido - "um café para sócrates"





marc sautet, já falecido, produziu uma das pérolas da leitura, no século 20.
terapia pela filosofia.
desde quando palestrava, nos domingos, no café de phares, paris, até a publicação do livro, sautet viu crescer o reino da chamada literatura de auto-ajuda. não vejo nada disso em "um café para sócrates". aliás, antes dele, robert johnson lançou a trilogia "he", "she" e "we" - de que pretendo falar em breve - cujo tema é o relacionamento humano. "he" tem como base prometeu. é a masculinidade em questão. "she" trata de psique, aquela mesma que fez ricochetear a seta do amor de eros... toda ela uma alegoria só da construção de uma figura que poderia existir para satisfazer homens. mitos, aliás, têm como premissa a origem no pensamento humano... mais exatamente o masculino.
voltando ao "café...", é uma leitura interessante, linguagem simples e muitas surpresas quanto a encontrar soluções para dilemas individuais vale a pena.
enfim, quer saber mais sobre o livro?

assista-me!



domingo, 15 de janeiro de 2017

um café para o aurélio #1





novíssimo dicionário do carneiro!

ALENCAR escritor nacionalista brasileiro que adorava imitar o modelo europeu de folhetins; ficou famoso por ter inventado Iracema, a virgem dos lábios de mel, da tribo Tabajara... O nome da índia, aliás, é anagrama de “américa”, mas isso você já sabia. Famosa mesmo é Jesuína, a primeira figura da literatura nacional a se apaixonar por outra mulher, assim, sem rodeios... está lá, em “Lucíola”... e dizem que romântico é moralista. Eita, cearense porreta!

AMORestado em que dor e prazer se confundem. Sinônimo de aventura. “Roma” de trás pra diante.  Sentimento bem inferior à paixão. Palavra que fez a fama de Freud. Diz-se de certa personagem, Ofélia, em “Hamlet”. Ou Isabel, em “O Guarani”. Todos acreditam que é isso, o amor, que acontece em “Werther”, mas não é.

BEIJOconvenção social de pele, significa “salivei em você”; atividade intra-labial que produzia, antigamente, sapinho, hoje dá uma grana preta quando seguida de gravidez de roqueiro ou jogador de futebol; existe o “da mulher-aranha”, o de Judas e aquele “desentope o tanque”. Beijo ótimo é o que se ganha de repente, seguido de abraço. Leia “O Primeiro Beijo”, de Clarice Lispector, ou o capítulo “O Penteado”, em “Dom Casmurro”.

CAETANODiz-se de entidade supra religiosa de origem baiana. Um dos iniciadores da Tropicália e dono de profundo mau-humor quanto à imprensa ou a quem quer que possa criticá-lo... ou a João Gilberto. Compositor de uma música só (Sampa), acredita ser o enviado do destino para curar os males do país. Entra para a história como cantor de festival de televisão.