Mostrando postagens com marcador saramago. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador saramago. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2024

o caminho difícil


[ rouseeau ]

no livro "conto da ilha desconhecida" (saramago), um homem pede um barco ao rei mas, em princípio, não sabe aonde vai. quer chegar a uma ilha que ninguém conhece. será caminho difícil, pois terá de passar por si próprio.
dante, na "divina comédia", acaba se perdendo, numa floresta e precisa de ajuda... ele também desconhece o caminho a percorrer... vai ser difícil, pois enfrentará só o inferno.
um homem do campo, no conto "a terceira margem do rio" (rosa) expõe a mesma sensação de perda e desconstrução: ele faz um pequeno barco e, sozinho, sai, rio acima, abaixo, num ritmo só seu, adentro, para sempre. vai ser caminho difícil... -- ou o que esse homem passava estava difícil, a gente só imagina.
olhem, pouca gente sai do trilho da razão para seguir um instinto próprio. dizem que ser humano seria sociável, e rousseau, lá no século 18, ele... ah, esquece.

sábado, 15 de janeiro de 2022

ensaio da visão: bandeira, magritte e saramago

                            

                                                [ the lovers - magritte ]

falei com meus alunos a respeito de "ensaio sobre a cegueira", saramago. gosto do livro, feito no final do século 20, traz visão sombria do desconhecimento que cada um tem de si mesmo.  lembro duas coisas singelas e pesadas, nessa história de arte e organismos. "the lovers", renne magritte e "a virgem maria", manuel bandeira.

embora magritte tenha falecido em 1967 e bandeira no ano seguinte, são estradas marcantes do olhar preso.
a tela do belga é aparentemente simples, um casal com os rostos cobertos por pano branco. nos versos do pernambucano, a cobertura é outra...

o poema é assim:

A VIRGEM MARIA

O oficial do registro civil, o coletor de impostos o mordomo     
        [da Santa Casa e o administrador do cemitério de S João Batista
Cavaram com enxadas
Com pás
Com as unhas
Com os dentes
Cavaram uma cova mais funda que o meu suspiro de renúncia
Depois me botaram lá dentro
E puseram por cima
As Tábuas da Lei
Mas de lá de dentro do fundo da treva do chão da cova
Eu ouvia a vozinha da Virgem Maria
Dizer que fazia sol lá fora
Dizer insistentemente
Que fazia sol lá fo
ra.

[ M Bandeira ]

segunda-feira, 4 de junho de 2018

história do cerco de lisboa - saramago - resumo




história do cerco de lisboa [ romance ]
séculos 20 e 12

fácil entender:

raimundo silva tem tarefa de revisar texto antigo sobre a tomada de lisboa pelos cristãos liderados por afonso henriques, 1147

movido por inquietações psicológicas -- ou literárias -- raimundo escreve um "não" em uma das frases que revisa.

os portugueses não teriam sido auxiliados pelos cruzados na luta por retirar os mouros de lisboa

advertido pela editora, raimundo não é demitido. seus patrões decidem colocar uma "errata" nas publicações que saem para livrarias

maria sara, uma figura chamada pela editora para supervisionar o trabalho de raimundo, se interessa pela personalidade do revisor

é dela a ideia de que ele escrevesse uma história do cerco de lisboa como imaginasse...
que desse vazão à imaginação

o que acontece depois ?
assista-me!


quarta-feira, 26 de abril de 2017

use literatura na sua redação - dica #3







use literatura na redação argumentativa


a metamorfose  (kafka)

conto da ilha desconhecida (saramago)

frankenstein  (shelley)

assista-me e descubra como!