terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

navegar é preciso -- saga de uma saudade de pedra

 

                                                                                                  [ laerte ]

"viver é muito perigoso", já escreveu guimarães rosa. nem precisava. 

é perigoso sim porque a gente depende do rebote do outro, quase sempre. equase sempre a gente vive em função do que o outro diz sobre nós. quando falo "outro" me refiro à sociedade como todo e àquele grupo determinado que nos cerca.

tenho depressão. fora isso, desde 2018, quando diagnosticado com câncer de próstata, venho buscando recuperar alguma autoestima. o tumor foi extirpado, estou vivo sim. mas tem essa busca por me restaurar. não é fácil. já a depressão... tento controlar... descobri que não posso exigir que qualquer outra pessoa viva minha dor, é fato. mas por vezes me pego tendo de explicar o que tenho -- depressão -- e isso vem cansando. 
remédios há, terapia idem, são circunstâncias importantíssimas. a questão é o que a gente faz com isso. 
tenho conseguido, acho, manter-me dentro das expectativas baixas. sem muito foguetório, sem poeira. até parei de engordar. na verdade, emagreci uns dois quilos, desde dezembro, até aqui, meio de fevereiro. ando querendo diminuir ansiedades, isso é fato. 
preciso acreditar menos que preciso autorização pra viver.
mas a pressão está alta (15 por 9). preciso exercício, dizem... antes do câncer até havia, mas depois, a sequela é bem essa: faltam ações que uma esteira só não cobre. que fase.

Nenhum comentário:

Postar um comentário