Mostrando postagens com marcador rodrigues. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador rodrigues. Mostrar todas as postagens

domingo, 21 de abril de 2024

céu líquido

 


[ ilustração: carlos h carneiro via i.a. ]


na peça "vestido de noiva" (n. rodrigues), a personagem alaíde sofre alucinações em cama de hospital, vê figuras do passado, revive realidades... a criatura de "frankenstein" (shelley) com certeza deve ter sofrido um tanto, antes de abrir os olhos amarelos, na alemanha. há outros aqui, na estante, sofrendo do mesmo mal, como naziazeno (os ratos), luís (angústia), quixote (d. quixote), mersault (o estrangeiro), sidonio rosa (venenos de deus, remédios do diabo) ou mesmo hamlet, que dispensa comentário. tudo povo alucinado. angustiado.
a depressão é a primeira curva na estrada das alucinações, não sei como se viraram esses personagens, porque estão sempre na curva, encostados, uns nos outros, aqui na estante do quarto, um empurra-empurra secular, às minhas costas, agora, enquanto escrevo. não é boa a sensação, quando se tem na estante "a queda da casa de usher" (poe) ou "fantasma de canterville" (wilde)... isso parece não ter fim. mas é só literatura. ou não.

terça-feira, 28 de julho de 2020

duas dores


julho, 28, 2020
hoje, faleceu rodrigo rodrigues, jornalista boa gente, uma referência.

já existe a dor das milhares de mortes que impedem minha respiração ser normal.
agora, esta. a morte, em decorrência do covid-19, do televisivo, midiático rodrigo rodrigues.
duas dores.

já perdi pessoas próximas, como qualquer ser humano, na minha idade. interessante como a gente se projeta em outras figuras da mídia. nem posso dizer que era fã. os fãs perseguem, acompanham fofocas, se vestem igual, imitam, expõem idolatria, é comum. não era isso. era mesmo o prazer de respeitar a felicidade alheia.
esta dor é nítida, desde ascensão do ultra conservadorismo, por aqui, poucos anos atrás. o ódio, os golpes contra a democracia. isso dói. 
a morte de rodrigo (chamado "RR") é uma tristeza que precisa servir de ânimo. algum ânimo. é a pandemia? é a vontade de poder abraçar mais minha gente? é meu estado de saúde mental delicado? tudo isso junto, certeza.
humanidade é mesmo necessária. não pode ser só da boca pra fora.
claro que na minha cabeça se houvesse mais controle dessa merda de doença, muitas vidas seriam poupadas... mas eu sei que não é isso que conta, no universo consumista e fascista que se transformaram muitas administrações públicas.

vai passar. uma hora passa.
alguma dor precisa nos mostrar um caminho.

hoje, são duas.