quinta-feira, 30 de setembro de 2021

sinfonia - olavo bilac - tarde

 


    SINFONIA

 Meu coração, na incerta adolescência, outrora,
 Delirava e sorria aos raios matutinos,
 Num prelúdio incolor, como o alegro da aurora,
 Em sistros e clarins, em pífanos e sinos. 

 Meu coração, depois, pela estrada sonora
 Colhia a cada passo os amores e os hinos,
 E ia de beijo a beijo, em lasciva demora,
 Num voluptuoso adágio em harpas e violinos. 

 Hoje, meu coração, num scherzo de ânsias, arde
 Em flautas e oboés, na inquietação da tarde,
 E entre esperanças foge e entre saudades erra... 

 E, heróico, estalará num final, nos clamores
 Dos arcos, dos metais, das cordas, dos tambores,
 Para glorificar tudo que amou na terra!

    [BILAC, Olavo. Tarde, 1919]

  nota 
 scherzo - peça musical ligeira, alegre
. . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .   .

último poema do livro "tarde", "sinfonia" anucia o fim de uma obra, o fim da música. ou seja, o final da vida e dos trabalhos poéticos. 
é um soneto dodecassílabo: doze sílabas poéticas.
de fato, "tarde" foi mesmo último trabalho de olavo bilac.
o coração ainda pulsa como num "scherzo", ou seja, um pouco de alegria. mas, no futuro "estalará".

eu lírico afirma que seu coração "estalará" ao final, isto é, morrerá em meio aos sons que glorificarão "tudo que amou", ou seja, sua obra também será divinizada. é muita pretensão. mas, houve quem aplaudisse, isso é fato.

. . . . . . . . . . . .  .  .  .   .

   @carneiro_liter  - - siga-nos

Nenhum comentário:

Postar um comentário