terça-feira, 21 de junho de 2022

cordas de aço - cartola - comentário

 

    CORDAS DE AÇO
     Cartola [1908 - 80]

 Ah, essas cordas de aço
 Este minúsculo braço
 Do violão que os dedos meus acariciam
 Ah, este bojo perfeito
 Que trago junto ao meu peito
 Só você violão
 Compreende porque perdi toda alegria
 E no entanto meu pinho
 Pode crer, eu adivinho
 Aquela mulher
 Até hoje está nos esperando
 Solte o teu som da madeira
 Eu você e a companheira
 Na madrugada iremos pra casa
 Cantando
 
  . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .

muito comum, no século 20, referir-se ao corpo das mulheres como "violão", por conta de sua forma ondulada, lembrando a cintura de uma figura feminina. o texto de "cordas de aço" traz a relação de um músico e seu violão. o instrumento pegado ao peito indica intimidade e cumplicidade. o poeta está sem "aquela mulher" (verso 10). num  determinado momento se lê: "perdi toda a alegria". restou a ele, poeta, a companhia do instrumento que expressa emoção. contudo, ela deve estar esperando e, assim que o violão soltar seu som, ela irá juntar-se aos dois. repare que a expressão "cordas de aço" também pode fazer referência à prisão. referência àquilo que prende algo; algum tipo de ligação muito forte que, nesse caso, deve ser o amor. mais do que isso, pode também ser a ligação forte com o samba que, além de acalmar sofrimento, o aproxima da mulher amada.
cartola: angenor de oliveira, nascido no rio de janeiro, 1908. falecido na mesma cidade, 1980. torcedor do fluminense. um dos fundadores da escola de samba estação primeira de mangueira, cujas cores foram inspiradas no clube de seu coração. o apelido "cartola" veio dos tempos em que trabalhou como pedreiro e, para proteger-se, usava chapéu. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário