quinta-feira, 30 de julho de 2020

aulas presenciais não devem voltar em 2020



final de julho, 2020

mortes aumentam, no país, via covid-19.
há mais relaxamento da quarentena.
governantes de toda ordem -- em sua maioria -- não adotaram lockdown. exceções há, como em algumas cidades do ceará e rio grande do sul, dentre outras poucas.

aqui, no sudeste, há movimentação para retorno às aulas em setembro. palavras do governo do estado de são paulo, por exemplo.
dá-se o nome de retorno gradual, assim como o termo rodízio é usado. um número também aparece: 35. trinta e cinco por cento de estudantes, nas salas. posteriormente, na etapa dois, setenta por cento. até cem.

podem usar nomes, números, eufemismos. mas o que se tem é aglomeração sem testes. aglomeração, em tempos de covid, também é conhecida como chance de infecção. morte.

em nome de que essa sanha pelo retorno? há vacina? haverá lockdown no estado todo? testes serão feitos? então, por que voltar?

tudo isso me lembra a moeda de vespasiano.
mas não vou me desgastar explicando isso agora não.

terça-feira, 28 de julho de 2020

duas dores


julho, 28, 2020
hoje, faleceu rodrigo rodrigues, jornalista boa gente, uma referência.

já existe a dor das milhares de mortes que impedem minha respiração ser normal.
agora, esta. a morte, em decorrência do covid-19, do televisivo, midiático rodrigo rodrigues.

duas dores.

já perdi pessoas próximas, como qualquer ser humano, na minha idade. interessante como a gente se projeta em outras figuras da mídia. nem posso dizer que era fã. os fãs perseguem, acompanham fofocas, se vestem igual, imitam, expõem idolatria, é comum. não era isso. era mesmo o prazer de respeitar a felicidade alheia.
esta dor é nítida, desde ascensão do ultra conservadorismo, por aqui, poucos anos atrás. o ódio, os golpes contra a democracia. isso dói. 
a morte de rodrigo (chamado "RR") é uma tristeza que precisa servir de ânimo. algum ânimo. é a pandemia? é a vontade de poder abraçar mais minha gente? é meu estado de saúde mental delicado? tudo isso junto, certeza.

humanidade é mesmo necessária. não pode ser só da boca pra fora.

claro que na minha cabeça se houvesse mais controle dessa merda de doença, muitas vidas seriam poupadas... mas eu sei que não é isso que conta, no universo consumista e fascista que se transformaram muitas administrações públicas.

vai passar. uma hora passa.
alguma dor precisa nos mostrar um caminho.

hoje, são duas.


segunda-feira, 27 de julho de 2020

morte de orfeu - olavo bilac


A MORTE DE ORFEU


Houve gemidos no Ebro e no arvoredo,
Horror nas feras, pranto no rochedo;
E fugiram as Mênadas, de medo,
Espantadas da própria maldição.

Luz da Grécia, pontífice de Apolo,
Orfeu, despedaçada a lira ao colo,
A carne rota ensanguentando o solo,
Tombou... E abriu-se em músicas o chão...

A boca ansiosa um nome disse, um grito,
Rolando em beijos pelo nome dito:
“Eurídice”, e expirou... Assim Orfeu,

No último canto, no supremo brado,
Pelo ódio das mulheres trucidado,
Chorando o amor de uma mulher, morreu...

                                                                  [ TARDE - O Bilac ]
. . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .   .   .   .

orfeu - mito ligado à música: buscou recuperar sua amada morta – eurídice – no hadesmundo dos mortos  - - não consegue!

recusando-se a amar qualquer outra mulher, orfeu é morto pelas mênadas (bacantes) - - é enterrado às margens do rio ebro

. . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .

soneto erudito, estilo parnasiano : forma fixa, vocabulário raro

está contido no livro "tarde", 1918

descrição espalhafatosa da agonia e morte do mito orfeu


. . . . . . . . .  .  .  .  .  .   .

QUESTÕES PARA ANIMAR SUA AULA:

- por que orfeu era importante, na mitologia?

- a arte de orfeu é necessária, ainda hoje, de que maneira?

- por que o mito músico não conseguiu sucesso na busca de eurídice?

. . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .


os poemas de bilac, em sua maioria, não são feitos para provocar reflexões

o tema clássico dá um caráter supostamente altivo ao texto e, consequentemente, a seu autor. é pouco

saiba mais:


sexta-feira, 24 de julho de 2020

tarde - sonetos de olavo bilac - resenha




99 sonetos

estilo burocrático
parnasiano
temas ligados à mitologia e alguma virtude humana

confira, neste vídeo abaixo


domingo, 19 de julho de 2020

jogo de cartas marcadas - vieira #5



superestimado por quem não leu e também por quem leu.
é, como camões ou saramago, pilar da literatura portuguesa.

às vezes, acho que ele é mais comentado que lido.
saiba mais!

clica e aprende


quarta-feira, 15 de julho de 2020

conselho para quem quiser viver na bahia estimado e procurado por todos - gregório de matos



Quem cá quiser viver, seja um gatão,
Infeste toda a terra, invada os mares,
Seja um Chegay, ou um Gaspar Soares,
E por si terá toda a Relação.

Sobejar-lhe-á na mesa vinho, e pão,
E siga, os que lhe dou, por exemplares,
Que a vida passará sem ter pesares,
Assim como os não tem Pedro de Unhão

Quem cá se quer meter a ser sisudo
Um Gil nunca lhe falta que o persiga,
E é mais aperreado que um cornudo.

Coma, beba, e mais furte e tenha amiga,
Porque o nome d'EI-Rei dá para tudo
A todos, que El-Rei trazem na barriga

. . . .  .  .  .   .  .  .  .   .   .    .

pedro de unhão
salvador, 1690, residia o desembargador pedro de unhão castelo branco; hoje abriga o museu de arte moderna, bahia

gil
provável referência a gil vicente, dramaturgo satírico português - séc 16

chegay e gaspar
provavelmente, figuras com poder político, em salvador
. . . . . . . . .  .  .  .  .  .   .   .    .

soneto do século 17 faz delação dos vícios da vida política de salvador: aqueles que possuem poder terão conforto, podendo até roubar
por isso, aos que são imorais, nunca faltará um gil que o persiga, ou seja, sempre haverá um escritor satírico a denunciar crimes

gregório é o primeiro escritor que faz denúncia social, na literatura brasileira






segunda-feira, 13 de julho de 2020

sophia de melo breyner andresen - livro sexto



LIVRO SEXTO
sophia de melo breyner andresen [1919 - 2004]

  • versos que se referem ao mar, constantemente
  • poesia predominantemente lírica
  • fez homenagem a fernando pessoa
  • buscou o universal dentro da história portuguesa
  • século 20


mesmo que fale somente de pedras ou de brisa, a obra do artista vem sempre dizer-nos isso: que não somos apenas animais acossados na luta pela sobrevivência mas que somos, pelo direito natural, herdeiros da liberdade e da dignidade do ser 
                                                         [sophia - posfácio - livro sexto]


saber mais ?
assista-me



sexta-feira, 10 de julho de 2020

jogo de cartas marcadas - drummond #4



jogo de cartas marcadas sim. o mineiro de itabira escreveu demais, publicou demais, poderia ter sido mais econômico, menos verborrágico. mas cada um, cada um.

tem lá seu "máquina do mundo", bom texto. fez aquele "no meio do caminho", no primeiro livro que o fez popular. nem "áporo" -- seu melhor poema -- é tão comentado quanto esse da pedra. é pouco, convenhamos.


terça-feira, 7 de julho de 2020

ignorância é a verdadeira pandemia


                     [ dahmer, 2020, folha de s paulo ]

"carpe diem" é expressão comum a quem estuda, nas literaturas latinas, o século 18, principalmente.
a expressão é anterior a isto, diga-se, mas ganhou fama no iluminismo, através da poesia de caráter pastoril, ligada ao viver de modo rústico, na contemplação etc etc. o resto em claudio manuel da costa ou alguns poemas do gonzaga.

neste início de julho, 2020, teve quem usasse esta expressão latina para ir à rua, cometer as aglomerações em bares pelo país, simplesmente porque a vontade mandou e o individualismo consagrou.

desde meados dos anos 1990, população ocidental vendo dando de ombros para instituições seculares como universidades, bibliotecas, parte da imprensa... 
pessoas -- já disse noam chomsky -- não creem nos fatos, não acreditam em pessoas, por que iriam repetir que a terra é redonda, que o vírus xis mata, que nazismo é de direita... por quê? 

é tenebroso como a ignorância é mãe da violência.
a ignorância é a verdadeira pandemia.

é disso que morremos, cada dia.

sexta-feira, 3 de julho de 2020

amoras - emicida e as crianças




amoras
emicida e aldo fabrini

vou dizer: não existe livro para crianças, por si só.
existem livros para pessoas experientes, nessa arte, e para quem está iniciando no processo de leitura. 

leitura para todas as idades, "amoras" é livro pra ser lido em voz alta.
pode sim, ser lido para uma criança. 
garota e um adulto -- provavelmente pai, padrasto, tio ou similar -- passeiam no quintal e este diz a ela que as amoras mais pretinhas são as mais doces. daí, a menina conclui: "sou pretinha também". 

com poesia e simplicidade, é feita sugestão para que se conheça zumbi de palmares e martin luher king, além de cassius clay. 

vidas pretas importam

amoras
vale a pena



quarta-feira, 1 de julho de 2020

jogo de cartas marcadas - clarice #3





unanimidade entre críticos e leitores -- um perigo, isso -- clarice é ginástica para o cérebro.

imperdível.

saiber mais? clica e assiste