segunda-feira, 15 de abril de 2019

descreve com galharda propriedade o labirinto confuso de suas desconfianças - gregório de matos





Descreve com galharda propriedade o labirinto 
confuso de suas desconfianças


Ó caos confuso, labirinto horrendo,
Onde não topo luz, nem fio achando,
Lugar de glória, aonde estou penando,
Casa da morte, aonde estou vivendo!

Ó voz sem distinção, Babel tremendo,
Pesada fantasia, sono brando,
Onde o mesmo, que toco, estou sonhando,
Onde o próprio, que escuto, não entendo!

Sempre és certeza, nunca desengano,
E a ambas propensões, com igualdade
No bem te não penetro, nem no dano.

És ciúme martírio da vontade,
Verdadeiro tormento para engano,
E cega presunção para verdade.


. . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .   .   .    .

babel – bíblico: 
torre inacabada por castigo divino, daí seus idiomas se confundiram; caos

. . . . . . . . . . .  .   .  .  .  .  .  .   .    .

"labirinto confuso", no título, indica um pleonasmo e intensifica o estado conflituoso do eu lírico

- tema do texto pode muito bem combinar com estado de luís da silva, em angústia ou mesmo rubião, lá do quincas borba

- estilo barroco se revela nas ocorrências de contradições ao longo do texto


Paradoxos

1. sofrimento no lugar de glória  - verso 3

2. morte e vida – verso 4


. . . . . . . . . . .  .   .  .  .  .  .  .   .    .


Nenhum comentário:

Postar um comentário