quarta-feira, 27 de março de 2019

conto de escola - machado de assis - atividade com




texto curto, narrativo, um conflito. é definição rasa de um conto.
machado foi mestre nesse gênero.

em sala de aula, fundamental 2 ou médio, fomentar reflexão e debate sobre relações pessoais

o que fazer

1. ler com os estudantes ou pedir que leiam em casa

2. questionar, para a sala, o que eles perceberam de diferente ao lerem sobre um dia dentro de uma escola, no século 19, quando comparado com o dia de hoje

3. a mesma pergunta, agora a respeito do que se manteve, na escola de hoje, desde o que se leu em machado

4. pedir à classe que repare na postura do pai de pilar quanto a seu futuro: ser capitalista, comerciante... e o que faz pilar, em sala de aula?... negócio!

5. o que seria melhor para o filho do professor, ao invés de pedir a um colega as respostas do exercício?

6. professor policarpo está preocupado com a provável ascensão de pedro segundo, com menos de 16 anos, ao poder... fica entretido com o jornal... repare que a cena final, do menino de calças novas atrás dos oficiais com tambor, lembra bem batedores adiante do imperador que, não por acaso, teria idade parecida com a de pilar
7. o nome do narrador, "pilar", sugere que tipo de relação entre ele e raimundo?


saiba mais:

terça-feira, 26 de março de 2019

só educação combate homofobia, fascismo e outras violações de direitos




chega de violência contra pessoas, homossexuais, trans, negros, índios, mulheres...

a escola ainda é um lugar em que se pode gerar conhecimento, debate, união... violar direitos humanos é crime.

disque 100 é uma saída também. funciona 24 horas. semana toda, mês todo... o 100 analisa denúncias em relação a trabalho escravo, violência contra imigrantes ou refugiados, discriminação racial, violência contra ciganos, idosos, crianças etc...

professor que ainda insiste em se esconder atrás do maldito conteúdo para não se expor diante de questões sociais atuais como as de brumadinho, suzano ou marielle realmente não merece a cátedra. é quase um crime. cabe às coordenações, direção geral de escolas fomentar nos professores a urgência de debates e ações com alunos sobre esses temas.


empatia e voz a todos é um começo para, por exemplo, permitir que alguém que sofre algum tipo de violência -- em casa ou na escola mesmo -- se exponha... cabe aos adultos da história (professores e orientadores, funcionários) lidar com isso regularmente... dar de ombros por medo de que a comunidade (pais pagantes, por exemplo -- na rede privada) se incomode é ser conivente com o que aconteceu em suzano e em tantos outros locais similares.

saiba mais:











segunda-feira, 25 de março de 2019

mais platão menos prozac - marinoff






seguindo a linha aberta, com sucesso, por sautet (um café para sócrates), Marinoff procura seduzir o leitor com a tentação do momento : filosofia. filosofia aplicada ao cotidiano, assinala o subtítulo. 
logo de cara, o filósofo diz a que veio : 
"na medida que as instituições religiosas estabelecidas perdem cada vez mais a sua autoridade e que a psicologia e a psiquiatria excedem os limites de sua utilidade na vida das pessoas (e começam a fazer mais mal que bem), muitas pessoas estão passando a ser dar conta de que a especialização filosófica abarca lógica, ética, valores, racionalidade, tomada de decisão em situações de conflito ou rico e todas as vastas complexidades que caracterizam a vida humana. (...) durante todo este século [XX], um grande abismo se abriu debaixo de nós quando a religião retrocedeu, a ciência avançou e o significado se extinguiu."

marinoff defende a ideia de que a filosofia deveria fazer parte de todo processo de educação. na verdade, hoje, recuperar valores comuns, mínimos de convivência entre pessoas e o próprio meio-ambiente parece não ser tarefa fácil, no ocidente voltado apenas para a estrada do "compro-vendo-financio".
nesse ritmo, o grande embuste do século vinte, a psicologia, colaborou para que se fizessem, no máximo, relatos de posturas, síndromes ou justificativas (quase sempre superficiais) para suicídio, depressão, dificuldade em se relacionar ou facilidade para fazer contas mentalmente. daí a brincadeira com "prozac"... marinoff traz relatos de como a filosofia ajudou, de fato, pessoas a resolver conflitos como separação matrimonial, postura ética na escola, dúvidas sobre opção ideológica (vida comum ou monástica, por exemplo), o que vem a ser "o bem", essas coisas. o crescimento de cafés filosóficos e aconselhamentos, tanto informalmente como em clínicas, numa tentativa — segundo marinoff — de superar as limitações de trabalhos psicoterápicos, tornou-se uma tônica, nesse mundo cheio de catástrofes, como as guerras, exploração econômica ou verticalização de conhecimento como sinônimo de progresso.
o livro é pretensioso, direto, defende bem o peixe do autor e ainda ataca a ferida de muita gente ligada às humanidades, na medida que contrapõe filosofia e psicologia. e esta última fica devendo a que veio.

mais dicas ?
assista-me !

quinta-feira, 21 de março de 2019

angústia - graciliano ramos - resumo




ANGÚSTIA
romance - - - -

narrado em primeira pessoa, luís da silva relata sua vida, em alagoas, como funcionário de repartição pública e de um jornal, ligado ao governo do estado, onde faz crítica literária, em maceió. século 20. década de 30.
muitos crimes depois da revolução de 30. valeria a pena escrever isto? impossível, porque eu trabalhava em jornal do governo.

órfão do pai -- camilo -- luís se mostra, na vida adulta, muito rejeitado. solitário profissional. seus companheiros são moisés e pimentel.
vivo agitado, cheio de terrores, uma tremura nas mãos (...) dão-me um ofício, um relatório, para datilografar, na repartição. até dez linhas vou bem. daí em diante a cara balofa do julião tavares aparece em cima do original, e os meus dedos encontram no teclado uma resistência mole de carne gorda. (...)
em duas horas escrevo uma palavra: marina. depois, aproveitando as letras desse nome, arranjo coisas absurdas: “ar”, “mar”, “rima”, “ira”, “amar”. uns vinte nomes.  (...)  o artigo que me pediram afasta-se do papel. é verdade que tenho cigarro e tenho o álcool, mas quando bebo demais ou fumo demais, a minha tristeza cresce. tristeza e raiva. “ar”, “mar”, “ria”, “arma”, “ira”. passatempo estúpido.


trinta e cinco anos de idade,  luís se ressente da vida que leva, recebendo ordens para escrever artigos, ora datilografando relatórios, sempre de cabeça baixa.
numa tarde, durante a leitura de um romance, divisou a vizinha, unhas pintadas.

eu estava debaixo da mangueira, de onde via através da cerca baixa o banheiro da casa vizinha, paredes pegadas com o meu, algumas roseiras, algumas roseiras e um vulto que se mexia (...) era uma sujeitinha vermelhaça, de olhos azuis e cabelos tão amarelos que pareciam oxigenados. não havia nada interessante nela. devia ser moradora nova. cabelos pegando fogo e a cara pintada. lambisgóia, falei comigo mesmo. depois notei que ela me observava. encabulei. sou tímido. sei que sou feio. olhos, braços e boca muito grande, além de um nariz grosso. (...)

      a tal moça vermelha era marina

       naturalmente gastei meses construindo esta marina que vive dentro de mim, que é diferente da outra, mas se confunde com ela. antes de eu conhecer a mocinha dos cabelos de fogo, ela me parecia dividida numa grande quantidade de pedaços de mulher, e às vezes os pedaços não se combinavam bem, davam-me a impressão de que a vizinha estava desconjuntada. Agora mesmo temo deixar aqui uma sucessão de peças e de qualidades: nádegas, coxas, olhos, braços, inquietação, vivacidade, amor ao luxo, quentura, admiração a d. mercedes. (...) além disso ela era meiga, muito limpa. (...) passava uma hora no banheiro, e a roupa branca que vestia cheirava. (...)


á memória de luís, conforme o relato caminha, aparecem tanto a figura do pai, camilo pereira da silva, como a de josé baía, contador de histórias de onça, além de outras passagens do tempo de menino, como assistir ao trato com o gado, por mestre amaro ou lembrar o dia em que uma cobra se enrodilhou no pescoço do velho trajano.

o tempo passa e o narrador percebe que seria patética uma disputa com tavares, mais rico, mais poderoso. além do mais, marina estava pendendo para o lado do sujeito, roupas bem cortadas, indo a passeios, teatro e cinema.


do seu próprio banheiro, tempos mais tarde, percebe que a moça cuspia no chão e a voz de d. amélia, preocupada: ela estava grávida e tavares não aparecia mais como antes... possuído de raiva pensa em matar julião.

se marina voltasse... por que não? se voltasse inteiramente esquecida de julião tavares, seríamos felizes. Absurdo pretender que uma pessoa passe a vida com olhos fechados e vá abri-los exatamente na hora em que aparecemos diante dela.

compõem o dia-a-dia de luís, a figura de ivo, homem simplório, às vezes bêbado; antônia, moça que vive procurando homem; rosália e seus gemidos ouvidos de seu quarto, quando chega o marido que ele nunca vira; as histórias repetidas de seu ramalho, como a do moleque, retalhado à faca por ter deflorado uma moça; além do café onde, quase sempre, esbarra no próprio ex-amante de marina.

medo da opinião pública? não existe opinião pública. o leitor de jornais admite uma chusma de opiniões desencontradas, assevera isto, assevera aquilo, atrapalha-se e não sabe para que banda vai. (...) penso no tempo em que os homens não liam jornais. penso em filipe benigno, que tinha um certo número de ideias bastante seguras, no velho trajano, que tinha ideias muito reduzidas, em mestre domingos, que era privado de ideias e vivia feliz. e lamento essa balbúrdia, essa torre de babel em que se atarantam os frequentadores do café. quero bradar:
— eles escrevem assim porque receberam ordem para escreverem assim. depois escreverão de outra forma. é tapeação, é safadeza


sem muito esforço, descobre que tavares estava tendo um caso com uma moça que trabalhava numa loja de miudezas. pela madrugada, seguiu-o até a casa, nas cercanias da cidade. esperou que saísse e o atacou com uma corda, sufocando-o. influenciado pela visão do velho evaristo, enforcado, luís tenta transformar o crime em suicídio e procura pendurar o corpo na árvore, mas acaba se machucando nas mãos e rasgando parte da roupa. desiste, quase esquece o chapéu, tenciona voltar, mas acaba mesmo no rumo de casa. lá, mal descansa, fica assustado. 


falta ao trabalho no dia seguinte, assusta-se com um pedinte, à porta, acreditando ser a polícia. cai de cama, com delírios, vendo fatos passados, misturados, vagando por sua mente.


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .   .

IMPORTANTE


a narrativa inicia-se cerca de trinta dias após o narrador recuperar-se do assassinato de tavares, e dura praticamente um ano — no tempo da narrativa, apesar de prevalecer o tempo psicológico. luís vive num cenário por onde passeiam prostitutas, velhacos, aproveitadores, pobres de espírito, enfim, um beco sem saídas. vez por outra, surgem imagens de afogamentos, pesadelos com figuras enforcadas ou a cobra enrolada no pescoço de trajano. quanto ao tempo, confundem-se o psicológico e o cronológico. misturam-se. da primeira à última página, dura o romance cerca de um ano. este é o tempo que cobre desde o conhecimento de  marina até a morte de julião. contudo sobram memória, reminiscência e dor. referências à infância, o momento presente é evocado com a tensão que os comunistas sofreram, na era vargas. a auto-estima baixa do narrador traz à tona cenas da vida na época da adolescência, no campo, sua relação curta e “inaugural” com berta, as imagens da fazenda, na época do avô e a escola do antônio justino. pois bem, em meio ao dia-a-dia sofrido, cujo ponto principal de dor é o rompimento com Marina, pululam imagens do passado, desde o homem enforcado, o pai morto ou a tal cobra no pescoço do avô trajano. há quem diga que a dor de luís mora na sua extrema carga de realidade que suporta na frente dos olhos, mas isso é conversa de psicanalista


     repare num trecho -- registrado acima -- quando luís se refere à imprensa: muita gente é enganada, acaba acreditando na realidade que lhes entregam... é tapeação, diz luis... imprensa é paga (comprada) para favorecer coronéis, acobertar crimes


a técnica do monólogo interior,é, aqui, motivo de comoção junto ao leitor. a alternância do uso do tempo, em planos diferentes, dá ao texto uma intensidade e carga emotiva que poucos neste século XX conseguiram... talvez lúcio cardoso, talvez clarice... 

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 



sábado, 16 de março de 2019

o gato preto - edgar allan poe - atividade com




vamos lá! 
se vc, educador, professora, educadora gosta de livros e possui alunos entre final do ensino fundamental 2 e início do médio, vale a dica para atividade com literatura

- o que fazer :


alunos lêem "o gato preto" - edgar allan poe (séc 19) -- um conto de terror

1. questionar os alunos sobre que tipo de relação se criou entre o personagem central e pluto (plutão)

2. por que emparedar esposa e gato?


3. o gato é animal venerado em que sociedade, antes de cristo ?


4. o que é literatura gótica? de onde veio o termo "gótico"?


5. discutir com eles essa ideia: por que muita gente se interessa por contos de terror?


saber mais?
assista-nos!




quinta-feira, 14 de março de 2019

o pequeno príncipe - exupèry - atividade com




se vc, educador, professora, educadora gosta de livros e possui alunos entre final do ensino fundamental 2 e início do médio, vale a dica para atividade:

- o que fazer

leitura do livro "o pequeno príncipe" - a. exupèry

- sugestões de atividades :

1. lido o livro, questionamentos verbais, em sala:

a) o que faz o personagem ser entendido como "príncipe", na história?
b) por que amizade é importante para o príncipe ?
c) como o leitor percebe uma crítica aos reinados?


2. alunos escrevem um bilhete ao escritor

- - obviamente, exupèry está morto (desapareceu e nunca foi encontrado), mas uma atividade fictícia em que os alunos possam expor dúvidas


- alunos escrevem uma pergunta ao escritor


- professor recolhe os bilhetes e, surpreendentemente, distribui os bilhetes a outros estudantes, na sala, de modo que cada um tenha uma pergunta pra responder como se fosse o escritor


3. discutir com eles essa ideia: todos temos direito a momentos de isolamento e reflexão... assim como de compartilhar sentimentos de angústia ou tristeza... é humano ficar triste, é humano estar depressivo... não se deve, penso, abominar essas questões e sim tratar, lidar, deixar o outro expressar que é tímido, que é mais recolhido... acolher o outro... ser amigo é também isso

4. se houver tecnologia disponível, no processo, os estudantes podem fazer postagens, numa rede social, usando hashtag #opequenoprincipe e também #letradeletra (assim eu também participo) e colocar pequenos depoimentos de até 30 segundos, sobre o livro, marcando outros amigos e professores....


saiba mais !
clica no vídeo aqui


clique e veja  também

terça-feira, 12 de março de 2019

o conto da aia - margaret atwood





1985, romance distópico "o conto da aia",  de margaret atwood, canadense.

é ficção futurista, ambientada num estado teocrático, totalitário. nele, as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do estado, e o fundamentalismo se fortalece como força política.

"o conto da aia" é uma distopia narrada em primeira pessoa por offred, uma mulher designada para ser aia. ela, mulher de 33 anos, era casada e tinha uma filha.

país chama-se gilead. a poluição e condições climáticas alteram a taxa de natalidade e, no passado, presidente foi morto a tiros e o exército delcarou estado de emergência

mulheres são presas, perdem direito e o nome e as que não procriam são fiscais e/ou educadoras; as férteis são aias e usam uniformes vermelhos -- elas devem fornecer filhos para a elite

offred é uma aia e está confinada em um ginásio esportivo

na parede do armário de offred se lê "nolite te bastardes carborundorum"; mais tarde, através do comandante, ela saberá que significa: "não deixe que os bastardos esmaguem você".
chama atenção a justificativa religiosa para dominação e violência masculinas sobre as mulheres

há mulheres fiscalizam as aias e as mantêm sob controle. são as "tias". sarah e elizabeth andavam entre as camas do dormitório com aguilhões elétricos de tocar o gado. o medo reina soberano.
offred é obrigada a ficar entre as pernas da esposa do comandante e manter relações sexuais -- violentada -- uma vez ao mês até engravidar e entregar o filho a esta família.

num determinado momento da narrativa, offred passa a frequentar quarto do comandante quando sua esposa não está
eles se tornam amantes.


para ir a determinados lugares é necessário companhia, pois uma aia fiscalizaria outra. 
com a parceira de passeio, ofglen, ambas estão na rua, acabam vendo-se, olho no olho, enquanto observam uma vitrine. estão mais à vontade, questionam se deus saberia tudo, ambas concordam que não.
em casa, é abordada pela esposa do comandante que a ameaça pois descobriu seu caso com o marido. o grupo "mayday" está lá fora, para buscar a narradora.
comandante e serena joy nada podem fazer.


. . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .    .    . 

a narrativa expõe o fenômeno das ascensão de um fundamentalismo totalitário e cáustico, valorizando individualismo masculino sob argumento de segurança para a espécie humana
sempre houve desrespeito para com o universo feminino quando este resvala em ações independentes. principalmente quando põem em risco a autoridade masculina que se faz através do sexo.
o fenômeno do crescimento do autoritarismo sustentado pela via religiosa é reflexo do quão permissivo o estado é diante das ações dessa falsa religiosidade que, no limite, se apodera da liberdade de pensar do outro, tira-lhe a auto-estima, corrói suas finanças e faz o fiel crer que tudo está programado por algum deus xis. o fiel, então, passa a depender dos discursos e ordens do sacerdote mais próximo, uma vez que, é claro, deuses só falam pelas bocas desses seres, geralmente de vestes diferentes e que pregam o medo como arma de dominação. pior: julgam e condenam que não acredita nessa mitologia.





domingo, 10 de março de 2019

margaret atwood me disse #2




"aqui estou eu no armário. nolite te bastardes carborundorum. não posso ver no escuro, mas retraço a escrita minúscula arranhada com a ponta dos dedos"

[ parte IX - cap 24 ]

o conto da aia 

* nolite te bastardes ... - - não deixe que os bastardos esmaguem você

. . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .    .

a vastidão de insensatos que têm seus cérebros sugados pelo fundamentalismo capitalista vai crescer e se multiplicar?

o medo da liberdade é a causa dessa tragédia que parece sair da ficção... e toma a realidade de quem justamente quer respeitar os diferentes

sexta-feira, 8 de março de 2019

margaret atwood me disse #1




"a noite é minha, meu próprio tempo para eu fazer o que quiser, desde que fique quieta, desde que não me mexa"

  [ parte III - cap 7 ]

o conto da aia 
. . . . . . . .  .  .  .  .  .  .   .   .   .    .    .    .

sonhar seria permitido, mesmo num mundo distópico?
noção de liberdade passaria também pelo crivo da censura própria, do próprio inconsciente...ou consciente...




quinta-feira, 7 de março de 2019

lá fora - ana cristina césar





lá fora

há um amor
que entra de férias.
Há um embaçamento
de minhas agulhas
nítidas diante
dessa boa bisca
de mulher.
Há um placar
visível em altas horas,
pela persiana deste hotel fatal
que diz:
fiado, só depois de amanhã
e olhe lá, onde a minha lâmina
cortante,
sofrendo de súbita
cegueira noturna,
pendura a conta e não corta mais, suspendendo seu pêndulo
de Nietzsche ou Poe
por um nada que pisca e tira folga
e sai afiado para a rua
como um ato falho deixando as chaves soltas em cima do balcão


. . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .   .
importante - -

“lá fora” - mundo distante; sonho; desejo de liberdade

 “bisca” - mulher libertina, liberta de conceitos…
                   geralmente sua imagem estava ligada

                   a hotéis baratos, motéis...


"lâmina cortante" - vontade fatal; ira; corte

"nietzsche & edgar a poe" -  (ambos séc 19)  filosofia crítica, existencialista e a poesia  

                                                gótica, narrativas de terror

. . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .   .
  • verso livre, dinâmico
  • voz do texto se aproxima de escritores tidos como radicais para a época (nietzsche e poe)
  • a expressão "fiado só depois de amanhã" reforça o clichê popular do comércio brasileiro ao mesmo tempo que sugere o local onde está o eu lírico, provavelmente um motel ("hotel fatal")

saber mais ??
assista-nos !


sexta-feira, 1 de março de 2019