segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

desempregado tenta vender poesia no semáforo mas não consegue


       professor desempregado tenta recitar poesia no semáforo mas não dá tempo

"dura muito pouco o vermelho", disse ele.

a saga do professor sem emprego em conseguir uns trocados é épica, se permitem redundância.

domingo passado, ele tentou ler "morte do leiteiro", de carlos drummond, mas nunca consegue terminar a leitura. o sinal abre e os carros partem sem lhe entregar uma moeda.

"drummond é perfeito pra esse tipo de situação porque é simplesinho."

"um dia, recebi dois reais antes de começar a leitura", ele conta entre risos.

"é drummond?" perguntou a motorista.

eu disse "é".

ela sacou dois reais da bolsa e:
"por favor, recita não! prefiro cheiro de óleo diesel". aceitei.

numa tarde meio chuvosa arrisquei recitar "navio negreiro", do castro alves. pessoal parecia não entender. alguns suspiravam aliviados quando o sinal abria.

"vou arriscar ana cristina cesar, de repente dá tempo", afirma o professor, já correndo pra um honda civic








Nenhum comentário:

Postar um comentário