quarta-feira, 29 de novembro de 2017

sophia -- um robô em sua vida 2017





parece assustador. e é.
várias considerações. seu nome é sophia. tudo a ver. sugestivo. entre o clichê e o shakesperiano.
o robô foi desenhado e construído com um perfil feminino... estereótipo da brancura do hemisfério norte, recebeu cidadania saudita e, como se esperava, a chiadeira aconteceu porque parece que a máquina terá mais direitos que as humanas de verdade.
em portugal, sophia concedeu entrevista. ou seria melhor dizer... seus programadores concederam? sophia existe? seria ela apenas o aparelho pelo qual falam seus programadores...?
que fase da humanidade.
divertido é, no fim.






segunda-feira, 27 de novembro de 2017

quarto de despejo - carolina de jesus - resumo unicamp 2019 e ufrgs 2018




diário de uma favelada.
obra escrita na década de 1950. são paulo, favela canindé.
descoberta pelo repórter da "folha da manhã", audálio dantas, carolina se mostra uma das figuras mais marcantes da literatura brasileira.
saída de minas gerais, trabalhou como empregada na casa do médico zerbini. apesar de pouco tempo, envolveu-se com a biblioteca do doutor e ampliou seu leque de vocabulário e referências.
grávida, perdeu a chance de continuar na casa. foi para o local dos despejados pelo governo, a favela canindé, próximo ao rio tietê. seu livro foi traduzido para vários idiomas, depois de publicado, no início da década de 1960.

saber mais?
assista-me!



quinta-feira, 23 de novembro de 2017

lista de livros - fuvest 2018




a lista de livros para a prova deste domingo, 26 de novembro, 2017, fuvest:

iracema - alencar
mem p de b cubas - machado
o cortiço - azevedo
a cidade e as serras - eça
vidas secas - graciliano
claro enigma - drummond
minha vida de menina - morley
sagarana - rosa
mayombe - pepetela

. . . . . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .

resumo em vídeo de todos os livros - fuvest 2018 - clica

anote aí:

iracema - romantismo nacionalista; licor verde; tatuagem de martim, colonização da américa

mem p de b cubas - realismo; metalinguagem; prepotência; arrogância; rio de janeiro; adultério; emplasto

o cortiço - naturalismo; portugal versus brasil; adultério; homossexualismo; exploração humana

a cidade e as serras - realismo; nacionalismo; sebastianismo; paris; dom miguel; felicidade é progresso; felicidade é a o campo

vidas secas - modernismo; indústria da seca; cachorra baleia; patrão versus vaqueiro; soldado amarelo e o jogo de cartas; era vargas

claro enigma - modernismo; poesia; introspecção; linguagem culta e erudita; "oficina irritada"; "dissolução"; "a máquina do mundo"

minha vida de menina - modernismo; diário; diamantina; aula de redação; esperteza; magistério

sagarana - modernismo; filosofia; neologismo; folclore do sertão; fábula; as epígrafes de cada conto e a do livro como um todo

mayombe - modernismo; livro com caráter histórico; guerra de independência de angola; século 20; colônia versus metrópole; mayombe é o prometeu africano; zeus vergado a prometeu



todos os resumos em vídeo - fuvest 2018 - clica

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

sagarana e as epígrafes dos contos




a seguir, as 10 epígrafes do livro "sagarana". são nove contos, uma para cada narrativa e mais outra que abre o livro.

esta:

"Lá em cima daquela serra,
passa boi , passa boiada,
passa gente ruim e boa
passa a minha namorada".
          [ quadra de desafio ]

For a walk and back again”, said the fox. “Will you come with me? I’ll take you on my back. For a walk and back again.”
(Grey Fox, estória para meninos)

[ passear e voltar, disse a raposa / você vem comigo? levo você nas minhas costas / para passear e voltar ]

as histórias, basicamente, se passam no cenário da quadra de desafio... a chamada de grey remete ao caráter de fábula que norteia boa parte do livro, como em "conversa de "bois", "burrinho pedrês" ou mesmo "são marcos" e "corpo fechado" com suas magias.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

“E, ao meu macho rosado,
carregado de algodão,
preguntei: p’ra donde ia?
P’ra rodar no mutirão.” (Velha cantiga, solene, da roça)

burrinho pedrês -
o animal que, em princípio era mais fraco e feioso do que os cavalos, acaba salvando a vida humana, carregado de gente, passando o rio

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

“Negra danada, siô, é Maria:
ela dá no coice, ela dá na guia,
lavando roupa na ventania.
Negro danado, siô, é Heitô:
de calça branca, de paletó,
foi no inferno, mas não entrou!”
(Cantiga de batuque, a grande velocidade)

“— Ó seu Bicho-Cabaça!?
Viu uma velhinha passar por aí?...
— Não vi velha, nem velhinha,
corre, corre, cabacinha...
Não vi velha nem velhinha!
Corre! corre! cabacinha...”

(De uma estória)

a volta do marido pródigo (lalino) -
"negro danado" que evita o inferno, se afasta de problemas pode ser referência ao personagem central, o lalino, por ser ladino, sim, o malandro

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

"E grita a piranha cor de palha, irritadíssima:
– Tenho dentes de navalha, e com um pulo de ida‐e‐volta resolvo a questão!...
– Exagero... – diz a arraia – eu durmo na areia, de ferrão a prumo, e sempre há um descuidoso que vem se espetar.

– Pois, amigas, – murmura o gimnoto*, mole, carregando a bateria – nem quero pensar no assunto: se eu soltar três pensamentos elétricos, bate‐poço, poço em volta, até vocês duas boiarão mortas..."
[ conversa  a dois metros de profundidade ]

duelo -
turíbio todo e cassiano gomes travam perseguição, por vingança
contudo, timpim-vinte-e-um é quem consegue assassinar turíbio, simbolizado, na cantiga, pelo peixe elétrico
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

"Canta, canta, canarinho, ai, ai, ai...
Não cantes fora de hora, ai, ai, ai…
A barra do dia aí vem, ai, ai, ai...
Coitado de quem namora!...”

(O trecho mais alegre, da cantiga mais alegre, de um capiau beira-rio)

sarapalha -
contradizendo a legenda da cantiga, a história é bem triste... argemiro e ribeiro, primos, ambos com malária, acabam se separando... um expulsa o outro, por ciúme... argemiro, num gesto de humildade e coragem, confessa a ribeiro que gostava da mulher do primo... por isso é expulso do lugar... ele, argemiro, cantou fora de hora

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Tira a barca da barreira,
deixa Maria passar:
Maria é feiticeira,
ela passa sem molhar

(Cantiga de treinar papagaios)

minha gente -
maria irma é objeto de desejo do protagonista mas acaba se casando com ramiro... o leitor sabe que ela, maria, é tida como feiticeira; não por acaso, foi ela quem arrumou armanda (assim, "r" mesmo) para o protagonista que logo se apaixona e se casa com a moça... por que será?

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

“Eu vi um homem lá na grimpa do coqueiro,
ai-ai
não era homem, era um coco bem maduro,
oi-oi
Não era coco, era a creca de um macaco,
ai-ai
não era a creca
era o macaco todo inteiro
oi-oi”

(Cantiga de espantar males)

são marcos -
a cantiga repete, como ladainha, que o que se vê, na verdade, era outra coisa. o conto trata também da oração de s marcos ligada a poderes além da humanidade... como diz a legenda, "espantar males". o preconceito de josé (izé) por mangolô é nítido. além da feitiçaria, há a questão da negritude... o que torna a figura de josé mais desprezível. no fim da história, o protagonista será salvo da cegueira pelo tal mangolô feiticeiro que, então, não era o que parecia

. . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .    .

A barata diz que tem
sete saias de filó...
É mentira da barata:
ela tem é uma só

(Cantiga de roda)

corpo fechado
narrativa em que manuel fulô consegue matar o valentão targino - que está armado e atira - usando apenas uma pequena faca, sem se ferir. o autor da mágica é tonico das pedras... e parece, ao final do confronto, que manuel fulô tinha sete vidas, sete escudos, muitas proteções... mas o que ele demonstra é ter confiança... uma vida só... a cantiga de roda, nesse contexto, bem se justifica

. . . . . . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .   .   .   .    .    .

“— Lá vai! Lá vai! Lá vai!...
— Queremos ver... Queremos ver...
— Lá vai o boi Cala-a-Boca
fazendo a terra tremer!...”

(Coro do boi-bumbá)

conversa de bois -
narrativa com caráter fabuloso. oito bois, dentre eles "namorado", "brabagato" e "dançador", traçam plano de melhorar a vida de tiãozinho e matam o carreiro, agenor, que estava em cima do carro de bois e, segundo consta, já estava interessado na mãe de tiãozinho, recém-viúva. o corpo do pai de tiãozinho estava no carro, no momento do desfecho da trama (morte de agenor). eles realmente fizeram a terra tremer

. . . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .   .   .    .    .    .

Eu sou pobre, pobre, pobre,
vou-me embora, vou-me embora
.................................
Eu sou rica, rica, rica, vou-me embora, daqui!...
(Cantiga antiga)

Sapo não pula por boniteza,
mas porém por precisão.”
(Provérbio capiau)

a hora e vez de augusto matraga -
o primeiro texto pode fazer referência à partida de dionora, esposa de matraga, que o abandona para ficar com ovídio moura. os termos "eu sou pobre" e "sou rica" também podem ser lidos como "sofrimento", "dor" -- para "pobreza" -- e "aconchego" e "conforto" (com ovídio) -- para "riqueza".
o provérbio capiau pode fazer referência à atitude final de matraga que, rejeitando seus novos hábitos de recluso e religioso, acaba assassinando um jagunço, joãzinho bem-bem. ou seja, se é sapo, vai pular. se é matraga, irá cometer alguma violência.

. . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .   .   .   .   .    .    .

leia mais dicas
clique aqui - fuvest 2018 - todos os livros
. . . . . . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .    .     .














sábado, 18 de novembro de 2017

interlagos 2017





grande momento, em 2017, no automobilismo. felipe massa fez seu último treino, dentro de um carro de fórmula um. não sei para qual dos dois foi melhor.
chovia, mas conseguimos ficar em um local coberto, na curva do sol.

maravilha!




sexta-feira, 17 de novembro de 2017

coração cabeça e estômago - vestibular 2018





camilo castelo branco, escritor português do século 19. montou uma narrativa interessante desancando com o estilo romântico piegas de um certo silvestre da silva.
é assim:
narrado em terceira pessoa por um editor, o livro conta a vida de silvestre da silva, cujas histórias amorosas estavam em cadernos manuscritos. com a morte de silvestre, o tal editor acreditou que poderia saldar algumas dívidas do falecido com a renda obtida depois da publicação do livro "coração, cabeça e estômago", de silvestre.
a narrativa está justamente dividida nessas três partes como se lê no título.
este sujeito é um sonhador, mau poeta e vulnerável às paixões. vai sofrer. logo na primeira parte das três, ele narra como se apaixona por nove mulheres. 


quer saber o resto ?

assista-me!


terça-feira, 14 de novembro de 2017

terra sonâmbula - mia couto





terra sonâmbula é narrativa poética, folclórica, histórica e mágica. o livro de mia couto desperta sensações novas, isso é fato.

"um velho e um miúdo vão seguindo pela estrada" ... logo no início do livro.
basicamente, duas narrativas, aqui:

I - Tuhair e Muidinga saem de um campo de refugiados.

Estão numa estrada e se abrigam em um machimbombo queimado (ônibus). É o final do século 20

II - Kindzu parte de sua aldeia em busca do títiulo de “naparama”,
guerreiro defensor do povo moçambicano, contra os desmandos,
na guerra civil (cadernos).

a história II está em cadernos que a dupla da história I encontra no ônibus. veículo chave para entender o que há de comum entre I e II.

saiba mais! assista!



saiba mais sobre história recente do país africano -clica

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

ascensão da intolerância é omissão da educação





não é de hoje que se sabe que o processo educativo vem sendo solapado pelo tecnicismo, pela setorização do conhecimento. e não me venham com história que a rede privada é melhor que a pública porque não cola. a rede particular, na real, é quem perde mais porque menos autônoma que a pública. mal e mal, a pública pode viver de projetos. mas isso é outra conversa.
professores das duas últimas gerações -- anos 1980 e 2000 -- omitiram-se demais na questão social, ética e cidadã. não bastou o exame nacional do ensino médio (enem) ter cobrado, em suas redações, temas humanitários como violência contra mulher, poder da leitura, inclusão ou indivíduo frente a ética ... etc... não bastou porque muitos professores, coordenadores, diretores e afins se recusaram a lidar com trabalhos interdisciplinares, não promoveram café filosófico, não fizeram seminários para tratar do cotidiano da comunidade jovem preferindo insistir na importância do movimento uniformemente variado, as funções da conjunção integrante ou a fórmula de bhaskara. há exceções. mas são quase nada, num país com tantas instituições rarefeitas. insisto: nada contra gramática, fórmulas disso, regra daquilo ou as marcas de estilo do poeta gonçalves de magalhães. seria legal se tudo viesse unido a um modus vivendi que agregasse humanidade, preocupação social, respeito ao outro, preocupação com a coletividade, como melhorar seu bairro, porque mobilidade urbana não melhora, como entender a internet para divertir e aprender,educar pelo esporte, essas coisas.
deveria ser simples. a omissão da classe educativa é proporcional ao crescimento de muitos canais de educação, tv, internet, que se esmeraram em propor modos novos, interessantes, quase lúdicos para se aprender a fórmula do sal, as funções do "que" ou cálculo estequiométrico. mas ainda faltava a cidadania. ainda faltou a humanidade.
é inacreditável que, de 2016 pra cá tenhamos, visto tanta violência contra arte, contra educação e liberdade como agora. o ataque é contra a escola. vide essa incoerente e débil proposta de "escola sem partido", como se falar contra o nazismo, a escravidão ou ditadura fosse ter um "partido". bizarro, absurdo, nojento, odioso, triste.
com a omissão da classe educativa, abriu-se espaço para esse evangelismo doutrinador anti-liberdade, abriu-se espaço para um conservadorismo egoísta e agora essa gente que gosta de pobre morto está nos canais de televisão, no congresso, na imprensa, no supremo e... de repente, até nas escolas.
precisamos sim de ação. precisa ser logo. do contrário, amanhã vamos acordar numa caverna e fugindo dos dinossauros, pedindo socorro ao australopitecus.

domingo, 5 de novembro de 2017

redação enem 2017 - surdez e inclusão





o exame nacional do ensino médio, neste novembro, 2017, cobrou o tema "desafios para formação educacional de surdos, no brasil".

a ideia é excelente pois trata de inclusão, lidar com diferenças, preparar a comunidade para lidar com a surdez. contudo, achei caro para jovens esse tema....enfim, enem sempre dando dicas de que é necessário estar em dia com atualidades e a democracia. ainda bem.

a coletânea trouxe perspectiva histórica até século 21, com direito a gráfico.

educação é direito de todos, está lá no corpo da prova.
a data é redonda também : 1857 (primeira escola para surdos, d pedro segundo) - 2017: 160 anos de história.

minha sugestão do que poderia ter sido feito para esta proposta argumentativa :

tese (ideia) : inclusão não é caridade, é dever

argumento 1 : surdos têm direitos, na sociedade; mesmo surdos podem produzir, trabalhar, geram empregos também, à medida que crescem em suas funções

argumento 2 : beethoven poderia ter sido citado para ilustrar o quão produtivo pode ser uma pessoa com essa característica (surdez); inclusão não é caridade, mas dignidade

solução que respeita direitos humanos : a comunidade não deve tolerar preconceito diante do caso da surdez; difundir o ensino de libras, quer na escola, quer na rede digital, é urgente para familiarizar a comunidade (escolar, do bairro etc) com esse processo de comunicação

conclusão : educar e incluir não pode ser visto como favor, como caridade, é dever do estado e, consequentemente, do cidadão


sexta-feira, 3 de novembro de 2017

o infante - fernando pessoa





        O INFANTE
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma.
E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.
Quem te sagrou criou-te português.
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!

Pessoa - Mensagem 1934

. . . . . . . . . .  .  .  .  .  .  .  .  .   .   .   .    .
o poema pertence ao livro "mensagem", originariamente concebido com o nome "portugal" pois modificado para o que conhecemos hoje. participa, o livro todo, de um concurso oferecido pelo governo luso mas não chega a vencer. a mudança se deu a conselho do amigo cunha dias que achava o nome já um pouco vulgarizado, gasto, na época.
pessoa concordou.  "mensagem", de propósito, foi nome escolhido por ter o mesmo número de letras.  o livro, como um todo, traz relações com o épico de camões,"os lusíadas", porquehistórico e por vezes narrativo. contudo sobram lirismo e caráter reflexivo, marcas impressionistas e até clássicas (soneto), neste conjunto que, no mínimo se equipara á grandiosidade de obras como as de camões. "infante" é aquele que há de ser. filho de reis mas não diretamente ligado ao trono. o texto, como se sabe, é dedicado a dom henrique, morto em 1460. o texto faz referência á rotunda forma do planeta, uma então novidade, no tempo deste infante. a mágoa reinante no desfecho é similar à que se lê em "mar português", mas bem menos contundente. aqui, neste "infante" parece que a vontade de deus ou o sonho humano se esfarelou. o mar está, deus é, mas portugal carece de bom destino. o fim do império luso, reza a lenda, teria começado com o sumiço de dom sebastião, 1578. não por acaso, nome de um dos poemas deste "mensagem".


saber mais ? assista-me! compartilhe!









quinta-feira, 2 de novembro de 2017

dicas para fuvest - literatura





neste vídeo, quatro livros merecem atenção por apresentarem conexões.

"o cortiço"
"vidas secas"
"sagarana"
"a cidade e as serras"

prepare-se para prova!